Moradores recordam danos no prédio de Sónia Brazão

Moradores recordam danos no prédio de Sónia Brazão

Um ano depois da explosão no apartamento de Sónia Brazão, em Algés, Oeiras, vários vizinhos ainda recordam os danos causados e lamentam que a actriz não tenha tido maior preocupação ou feito um pedido de desculpa.

A 3 de Junho de 2011, uma explosão ocorrida no quarto andar do número 73 da Avenida da República, em Algés, na casa da actriz, causou dois feridos e provocou estragos em dezenas de viaturas e várias casas vizinhas.

Um ano depois, os vizinhos ainda contabilizam os prejuízos e, no café do rés do chão do prédio onde morava a actriz, o assunto ainda é tema de conversa.

"Nunca mais aqui apareceu. Muita gente ficou com os carros estragados, vitrinas partidas e ela nem sequer um pedido de desculpa fez ou lamentou o que aconteceu", afirmou Sila à agência Lusa.

A moradora do prédio vizinho, que disse conhecer Sónia Brazão "desde pequenina", esperava uma atitude menos distante: "Sempre foi uma pessoa simpática e animada. Está bem que isto deve ter sido um trauma para ela, mas ao menos ao fim de algum tempo poderia ter tido mais preocupação".

Também Manuel Gomes disse nunca mais ter visto Sónia Brazão no bairro. "Acho que agora está a viver com a mãe e já aqui não vem", contou.

No local, a Lusa constatou que já não há vestígios da explosão. Contudo, os vizinhos dizem que as obras foram só feitas no exterior.

"Só reconstruíram a parede. Por dentro ainda está um buraco, está tudo destruído", contou outro vizinho.

Contactado pela Lusa, o agente de Sónia Brazão, Ricardo Azedo, confirmou que a actriz não voltou a visitar o seu apartamento desde o acidente.

Sobre as queixas dos vizinhos, o representante esclareceu: "Não tendo ainda feito nenhuma visita ao apartamento, também ainda não esteve no prédio e não fez por isso qualquer visita a ninguém. Se fosse ao contrário, talvez a Sónia também quisesse ser ressarcida daquilo que é seu e percebe a angústia e a revolta dos vizinhos, mas, estando o caso entregue às autoridades competentes, a Sónia não pode fazer nada".