Moradores da Tapada das Mercês exigem parque urbano

Moradores da Tapada das Mercês exigem parque urbano
A Associação de Moradores da Tapada das Mercês lançou hoje uma recolha de assinaturas para exigir à Câmara Municipal de Sintra a construção de um parque urbano naquela zona, onde moram cerca de 20 mil pessoas.
No texto da petição, a que a agência Lusa teve acesso, os moradores propõem a alteração, em sede de Plano Diretor Municipal, da classificação de um terreno situado na zona norte da Tapada das Mercês, de espaço "urbano" para "área preferencial para recreio e lazer".
De acordo com Nuno Azevedo, da associação de moradores, o objetivo desta petição é que a Câmara, mais tarde, avance com a construção de um parque urbano para servir uma população "que não tem espaços de lazer".
"Os moradores da Tapada nunca receberam um espaço digno para a consequência que é ter neste território 20 mil pessoas. Temos a maior densidade populacional da Europa e vivemos num espaço que não tem qualquer espaço verde", disse o morador à agência Lusa.
Segundo Nuno Azevedo, os moradores e comerciantes que compraram imóveis naquele local há cerca de duas décadas "sentem-se enganados", uma vez que nos projetos constavam vários espaços verdes que nunca foram feitos.
O responsável da associação adiantou que o urbanizador da Tapada das Mercês abriu falência "há uns anos" e nunca cumpriu os requisitos necessários para que o espaço público fosse entregue ao município.
"O urbanizador não pagou as contas, não fez os espaços verdes e andamos há 12 anos com o mesmo presidente de câmara, que agora se vai embora sem resolver este problema", disse.
A primeira iniciativa de recolha de assinaturas terá lugar no Mercado da Tapada das Mercês, no sábado, entre as 10:00 e as 19:00.
A revisão do Plano Diretor Municipal de Sintra, documento que define as regras do planeamento urbanístico do território, deveria ter sido concluída em 2009 (10 anos após a vigência do primeiro PDM). 
A discussão pública do PDM termina a 11 de fevereiro.