Monte Abraão: Raízes para o futuro

Monte Abraão: Raízes para o futuro

Monte Abraão mantém projecto de combate à exclusão social
Em instalações renovadas, situadas na Rua Pedro de Sintra, no Bairro 1.º de Maio, o Projecto Raízes está de novo de portas abertas, agora sob a exclusiva responsabilidade da Junta de Freguesia de Monte Abraão. Um projecto de combate à exclusão social, que assenta na prevenção de comportamentos desviantes de crianças e jovens e na promoção de estilos de vida saudável, fomentando a prática desportiva e o estudo/formação profissional.
Em curso desde 2001, com o apoio do Programa Escolhas até ao final de 2012, a Junta de Freguesia decidiu assumir em mãos os custos do projecto, em função da indefinição quanto às verbas disponíveis e mesmo em relação ao futuro da freguesia. "Decidimos assumir, por nossa conta e risco, a continuidade deste projecto", frisa Fátima Campos, presidente da Junta de Freguesia.
O Projecto Raízes vai dar resposta a 30 crianças e jovens, com idades compreendidas entre os 5 e os 16 anos, que estavam condenados a brincar na rua e sem qualquer suporte familiar no apoio aos estudos. "Foram abertas as inscrições a toda a população e escolhidos os mais necessitados", salienta a autarca.
O projecto funciona de segunda a sexta-feira, das 16h00 às 20h00, tendo ao seu serviço a colaboração de duas técnicas, ambas licenciadas em Psicologia Criminal e do Comportamento Desviante pela Universidade Lusófona de Lisboa, sob orientação de Vanessa Duarte Luz, coordenadora da Área Psicossocial da Junta.
Um projecto que ganha uma maior relevância em função da realidade do 1.º de Maio, um bairro social gerido pelo Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social que só agora passou para a tutela do município. Um aglomerado urbano que não dispõe de equipamentos de ocupação de tempos livres e os que existem estão em degradação. "Há um parque infantil que não respeita as normas de segurança e um polidesportivo em ruínas e também uma zona de lazer em ruínas", evoca a presidente da Junta de Freguesia.
As 30 crianças e jovens estariam condenadas a ficar na rua, após as actividades lectivas, até os pais regressarem a casa. Com o Raízes, além do acompanhamento nos estudos e o acesso à informática, têm direito a lanche e vão beneficiar, na segunda quinzena de Julho, de uma colónia de férias.
Desde 2001 passaram pelo Projecto Raízes algumas centenas de crianças e jovens, que ali encontraram um porto de abrigo. "Vi muitos crescer, a entrarem pequeninos e a saírem jovens/homens e revejo-os agora pela freguesia, alguns não andam nas melhores vidas, mas, enfim, fizemos tudo para que isso não acontecesse", acentua Fátima Campos.
A inauguração do projecto, que decorreu na passada quinta-feira, contou com a presença de representantes de várias entidades, entre as quais a vereadora da Acção Social da Câmara de Sintra, Paula Simões, que destacou a importância destes projectos "ao nível do apoio das famílias na ocupação dos tempos livres dos jovens".