Mercado residencial de luxo em Lisboa com 60% de investidores estrangeiros

Mercado residencial de luxo em Lisboa com 60% de investidores estrangeiros
O mercado residencial de luxo em Lisboa encontra-se no “expoente máximo”, com preços entre 3.000 e 9.000 euros por metro quadrado e investimentos 60% estrangeiros e 40% nacionais, segundo um estudo da imobiliária JLL Portugal, hoje apresentado.
 
Segundo o diretor geral da JLL Portugal, Pedro Lancastre, “o sucesso do mercado” de venda de casas de luxo na capital é resultado das alterações à lei do arrendamento urbano, reforma que entrou em vigor a 12 de novembro de 2012 e possibilitou a atualização das rendas antigas e reabilitação dos prédios.
 
Pedro Lancastre disse estar preocupado com as possíveis alterações do atual Governo à lei do arrendamento urbano, defendendo que “não podem ser significativas”, mas que, se existirem, “sejam para que a cidade continue a ser melhorada, tal como tem acontecido”.
 
Neste sentido, o responsável da empresa JLL considerou que o novo quadro legal veio “atrair mais os investidores internacionais”, referindo que em 2015 registaram-se compradores oriundos de 24 nacionalidades.
 
O estudo “Mercado Residencial - Dinâmica Inigualável”, realizado em 2015 com a análise de 11 bairros de Lisboa e a linha Estoril/Cascais, revelou que o crescimento do turismo e o investimento em reabilitação urbana beneficiou as zonas centrais e históricas da Avenida da Liberdade, Chiado, Baixa/Zona Histórica e Príncipe Real.
 
“O turismo assume um papel fundamental neste novo dinamismo do mercado residencial, principalmente em Lisboa”, reforçou a responsável pela área da Consultoria Estratégica da JLL Maria Empis, acrescentando que Portugal beneficia de fatores diferenciadores como segurança, qualidade de vida, saúde e educação.
 
Para Maria Empis, os incentivos ao investimento que Portugal dispõe também são importantes para captar investidores, destacando a autorização de residência para atividade de investimento com o programa Golden Visa, os benefícios fiscais para residentes não habituais, as alterações à lei do arrendamento e os incentivos fiscais à reabilitação.
 
De acordo com a responsável pelo segmento residencial da JLL Patrícia Barão, a habitação de luxo em Lisboa encontra-se com “uma dinâmica inigualável”, que reflete a qualidade de construção, da arquitetura e dos projetos.
 
Das 11 zonas de Lisboa analisadas – Avenida da Liberdade, Chiado/Santa Catarina, Príncipe Real/São Bento, Zona Histórica [da Baixa a Alfama], Zona Ribeirinha, Lapa/Estrela, Campo de Ourique/Amoreiras, Avenidas Novas, Colina de Santana, Restelo/Belém e Parque das Nações –, a Colina de Santana é a zona mais acessível para adquirir habitação de luxo em Lisboa, com um ‘valor prime’ de 3.000 a 4.500 euros por metro quadrado, procurada por investidores nacionais, principalmente famílias, que usam o imóvel para habitação própria.
 
A zona com um valor prime mais elevado é a Avenida da Liberdade, que varia entre 6.000 e 9.000 euros por metro quadrado, atraindo, essencialmente, investidores internacionais, que usam os imóveis para habitação própria ou investimento.
 
Fora da cidade de Lisboa, a zona de Estoril/Cascais apresenta casas de luxo com um ‘valor prime’ de 5.000 a 12.000 euros por metro quadrado, compradas por investidores internacionais e nacionais para habitação própria.