Memórias musicais no Palácio Nacional de Sintra

Memórias musicais no Palácio Nacional de Sintra
Os agrupamentos laReverdie, De Labyrintho e Mara Galassi fazem parte do cartaz dos 'Reencontros - Memórias musicais no Palácio de Sintra', que começam na sexta-feira. O cartaz, divulgado pela Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML), entidade responsável pelo Palácio da Vila, em Sintra, cenário destes concertos, é constituído, maioritariamente, por repertório e intérpretes italianos.
 
Segundo o maestro Massimo Mazzeo, diretor artístico do certame, esta é uma "oportunidade de ouvir composições e histórias que têm Itália como ponto de irradiação direto e indireto".
 
Referindo-se ao ciclo, Massimo Mazzeo afirma que pretende "dar voz a uma programação que terá de entrar mais a fundo naquela que é uma verdadeira 'geografia de sons', procurando recriar aquela que é a unicidade do continente europeu: um caleidoscópio de culturas sempre em devir, um cruzamento de povos, estéticas e tradições".
 
O ensemble de música medieval laReverdie abre o ciclo, na sexta-feira à noite, com 'O Livro das Maravilhas - Uma viagem musical pelas aventuras de Marco Polo', apresentando um programa que visa "uma combinação exótica, contrapondo aos instrumentos do Ocidente medieval o 'kamancheh' persa e a tabla indiana".
 
No sábado, este mesmo agrupamento apresenta 'Carlos Magno -- Músicas para uma lenda', um recital em que aborda as várias facetas de Carlos Magno (742-814), que foi imperador dos Romanos e rei dos Lombardos e dos Francos e fundador da dinastia Carolíngia, que nos sete séculos seguintes dominou o xadrez político europeu.
 
No dia 08 de junho, Mara Galassi, apontada como uma especialista da harpa renascentista, acompanhada pelo flautista António Carrilho, por Enrico Baiano (cravo e órgão positivo) e Patxi Montero (viola bastarda), apresenta 'Harmonia ao crepúsculo -- Um serão nos séculos XV e XVI'.
 
A proposta é "transportar o espetador para um universo de sensações em ambiente cortesão, variando entre a alegria e o sofrimento, o amor e a inconstância, a virtude e o pecado".
 
Nos dias 16 e 17 de junho, os concertos são protagonizados pelo agrupamento coral De Labyrintho, que interpreta 'Threnos - As lamentações do profeta Jeremias', com obras de Marc'Antonio Ingegneri, Claudio Monteverdi, nascido há 450 anos, e 'O sonho da Graça -- A arte sublime de Josquin Desprez'.
 
A formação De Labyrintho no concerto de dia 16 é constituída por Andrés Montilla- Acurero ('cantus'), Raffaele Giordani (alto), Marco Scavazza (tenor), Walter Testolin (baixo e direção). "Threnos" é o título da lamentação sobre a queda de Jerusalém e sobre a deportação do povo hebreu para a Babilónia, relatada na Bíblia, atribuída ao profeta Jeremias.
 
No dia seguinte os De Labyrintho são: Nadia Caristi e Arianna Miceli ('cantus'), Andrés Montilla-Acurero e Matteo Pigato (alto), Fabio Furnari e Raffaele Giordani (tenor), Marco Scavazza e Guglielmo Buonsanti (baixo), com direção de Walter Testolin.
 
'Reencontros -- Memórias musicais no Palácio de Sintra', uma iniciativa conjunta da PSML e do Centro de Estudos Musicais Setecentistas em Portugal, encerra a terceira temporada de música, que teve início em outubro do ano passado, no Palácio de Queluz, com as Noites de Queluz, prosseguiu em março no Palácio da Pena, com os "Serões Musicais".
 
Todos os concertos realizam-se na sala dos cisnes do Palácio da Vila, em Sintra, cuja fundação moura remonta ao século XI, pelo menos, sendo o "único paço real medieval português que chegou íntegro aos nossos dias", segundo a PSML.