Maria de Medeiros abre terça-feira Festival Misty no CCB

Maria de Medeiros abre terça-feira Festival Misty no CCB

A cantora Maria de Medeiros abre na terça-feira, em Lisboa, no Centro Cultural de Belém (CCB), o Festival Misty, que até ao dia 14 apresenta 30 concertos em 11 salas de dez localidades.

Maria Medeiros abre o Festival com um concerto no grande auditório do CCB, no qual a atriz de “Henry & June” irá apresentar o seu mais recente CD, “Pássaros eternos”, que “prossegue no seu muito particular caminho musical, entre ‘chansons’ e bossas, tangos e jazz, pop e algo mais com toques de África”, afirma a produtora Uguru que organiza o festival.

Maria de Medeiros atua ainda no Porto, na Casa da Música, no dia 05, no Teatro Aveirense, em Aveiro, no dia seguinte, e no Centro Cultural e de Congressos da Caldas da Rainha, no dia 09.

Também na terça-feira e em Lisboa, no Cinema S. Jorge, acontece o espetáculo “Sessões Blitz”, que assinala o 30.º aniversário desta publicação, no qual atuam a banda Capitão Fausto, David Pessoa, Elias, Flak, João Caetano, Lisbon Kid, Sétima Legião, Valter Lobo e “uma banda surpresa”, segundo a mesma fonte.

O cartaz é constituído por Rodrigo Leão, que participa desde a primeira edição, pelo Kronos Quartet, Jorge Palma, Buika, que já colaborou com Mariza, o maestro Rui Massena, que se apresenta como pianista, a fadista Gisela João, este ano distinguida com o Prémio José Afonso, Patxi Andión, os Couple Coffee, Celina da Piedade, Patrícia Bastos, Lura, Olavo Bilac e Pierre Aderne.

Além de Lisboa, onde se divide por três palcos – o CCB, Fundação Calouste Gulbenkian (FCG) e Cinema S. Jorge -, o Misty acontece em Sintra, nas Caldas da Rainha, Figueira da Foz, Coimbra, Aveiro, Espinho, Porto, Vila do Conde e Braga.

Em Lisboa, no CCB, atuam Jorge Palma e Patrícia Bastos, no dia 06, Rodrigo Leão, no dia 07, Buika, no dia 09 e Rui Massena, no dia 10, que apresenta “em estreia absoluta o seu primeiro trabalho enquanto compositor e pianista, ‘Solo. Um palco, um piano e um homem”, segundo a mesma fonte.

Além de Lisboa, o maestro titular da orquestra Clássica da Madeira apenas se apresenta no palco da Casa da Música, no dia 13.

O Kronos Quartet, a celebrar 40 anos, atua no dia 11 de novembro, na FCG. Este é o único concerto desta formação e também o único cujo cenário é a Gulbenkian.

A capital recebe ainda Patxi Andión, no Cinema S. Jorge no dia 06, Olavo Bilac, que canta com Cati Freitas, no dia 07, e Lura, numa homenagem a Cesária Évora, que acontece no dia 08. Também dia 08 e neste cinema atuam os Couple Coffee.

Em Aveiro, além de Maria de Medeiros, no âmbito do certame, atua apenas Patxi Andión, no dia 08. Andión apresenta o seu novo disco “Cuatro Días de Mayo”, editado na semana passada em Portugal, onde o gravou ao vivo, em 2011.

A espanhola Buika, além da capital, apresenta o seu novo trabalho “La Noche más larga” no Porto, no dia 10.

Em Braga, o palco do Festival é o Theatro Circo, e abre no dia 06 com Gisela João, fadista distinguida o ano passado com o Prémio Amália Revelação. A criadora de “A casa da Mariquinhas” (de autor anónimo, com música de Alberto Janes), atua ainda no Centro de Artes e Espetáculos da Figueira da Foz, no dia 07, e nas Caldas da Rainha no dia seguinte.

O Auditório Espinho, no âmbito do Festival, recebe apenas um espetáculo, no dia 08, o da brasileira Patrícia Bastos, já com cinco álbuns editados, o mais recente, “Zulusa”, recebeu o Prémio para o Melhor Álbum da Música Brasileira deste ano.

Coimbra também recebe apenas um espetáculo, o de Celina da Piedade, que atua no dia 13, no auditório do Conservatório. A acordeonista apresenta o seu segundo disco a solo, “O Cante das Ervas”. Em Sintra, no Olga Cadaval, a encerrar o Festival no dia 14, atua o brasileiro Pierre Aderne, que apresenta o seu novo disco, "Caboclo", gravado entre Lisboa e Nova Iorque.

Rodrigo Leão realiza dois concertos, um em Lisboa, no dia 07, já esgotado, segundo a organização, e outro no Porto, no dia 11, tendo como convidado especial o fadista Camané e apresentando o seu novo espetáculo “Espírito de um País”.