Marco Paulo encerra festa dos 50 anos de carreira com três espetáculos

Marco Paulo encerra festa dos 50 anos de carreira com três espetáculos
O cantor Marco Paulo, intérprete de êxitos como "Eu tenho dois amores", encerra as celebrações dos 50 anos de carreira com três espetáculos, o primeiro já no próximo sábado, no Coliseu do Porto.
 
Os outros dois espetáculos são no dia 01 de dezembro, no Pavilhão Multiusos, em Guimarães, no Minho, e no dia 10, no Campo Pequeno, em Lisboa, que será gravado em vídeo para uma edição em DVD.
 
Em declarações à agência Lusa, no início destas celebrações, em janeiro passado, Marco Paulo, que já se apresentou em mais de 20 espetáculos em todo o país, afirmou que projeta gravar mais discos e prometeu continuar a cantar, enquanto se "sentir bem".
 
O intérprete de "Taras e manias" afirmou que esta é "uma data muito especial e emotiva", e que não pensava vir a comemorar "50 anos de canções".
 
"O público foi fundamental para chegar" a esta celebração, disse Marco Paulo, que referiu também ter tido "sempre gente muito competente" ao seu lado, de produtores a músicos, compositores e autores.
 
"Quem me fez chegar aqui foi o público, de todas as idades e de todas as condições. Foram eles que compraram os meus discos, que assistiram aos meus concertos, e a festa do meu aniversário dos 50 anos, vai ser a festa do público, sem o qual eu não os comemorava", frisou.
 
Entre outras salas, o intérprete de "Maravilhoso coração" esgotou o Coliseu dos Recreios, em Lisboa, e o do Porto, ambos em março último, tendo ainda atuado, em abril, na Portimão Arena.
 
Do alinhamento dos espetáculos fazem parte, entre outras canções, "Eu tenho dois amores", que canta "numa roupagem nova, de maneira que seja o público também a cantar".
 
"Mais e mais amor", "Joana", "Morena, morenita", "Sempre que brilha o sol", "Como passaram os anos" são temas obrigatórios dos concertos, ao lado de canções mais recentes, disse o cantor de 70 anos, que reconhece não poder cantar "tudo o que público pede, e ainda tem na memória como 'Anita' ou 'Ninguém, ninguém'".
 
"É muito emocionante as pessoas ainda hoje cantarem as minhas músicas, passados estes anos todos, como se fossem atuais", referiu.
 
Marco Paulo argumentou que conhece o país como poucos, pois atuou "em todo [o território], de cidades a vilas e aldeias", e ainda se recorda da "pessoa que o descobriu, Cidália Meireles", que o ouviu num ensaio e o levou ao seu programa na RTP, "Tu cá, tu lá".
 
O seu disco de estreia, "Não Sei", em 1966, foi uma versão de António José de uma canção do cantor francês Alain Barrière.
 
"Foi aquele momento, aquela hora, que despontou tudo", tendo-se seguido as primeiras gravações, as participações no Festival da Figueira da Foz, em 1966, com a canção "Vida, Alma e Coração", e no da RTP da Canção, em 1967, com "Sou tão feliz", em que ficou em 6.º lugar.
 
Gravou com Simone de Oliveira a canção "Tu e só tu", e voltou ao Festival RTP em 1982 com "É o fim do mundo", que se classificou em 11.º lugar.
 
Participou noutros festivais, como as Olimpíadas de Atenas, em 1970, com o tema "O homem e o mar", ano em que realizou uma digressão pelo Canadá, e o da OTI, em Miami, nos Estados Unidos, em 1989, com a canção "Rosa morena".
 
Quando começou a cantar, os seus ídolos eram Madalena Iglésias, com quem realizou uma digressão à Madeira, Simone de Oliveira e António Calvário, de quem cantava as canções quando ainda não tinha repertório, "mas, mais do que todos, Amália Rodrigues", que teve "o privilégio de conhecer e ter ido ao seu camarim".
 
Além de ter percorrido o país, cantou nas ex-províncias ultramarinas, antigos territórios sob administração portuguesa, foi atração de circos, em que cantava "Jesus Cristo", de Roberto Carlos, a fechar a atuação, e atuou para as comunidades portuguesas em França, Alemanha, Estados Unidos, Venezuela e África do Sul.
 
Marco Paulo é o nome artístico de João Simão da Silva, nascido no dia 21 de janeiro de 1945, em Mourão, no Alto Alentejo.
 
Atualmente conta 140 galardões de platina, ouro e prata, e um de diamante, por vendas de mais de um milhão de discos.
 
Aos 70 anos, Marco Paulo quer "ter saúde, gravar ainda um ou dois discos e estar em contacto com o público".
 
"Não estou a pensar terminar daqui a dois anos, ou deixar de cantar. Eu quero continuar a cantar enquanto o público me deseja e eu sinta que o posso fazer. Se me sentir bem e [se sentir] que as pessoas me apoiam, eu quero continuar a cantar, mas não vou andar aí a arrastar-me, vou continuar a ir sítios onde eu gosto e me sinto bem", declarou.