Manuel Cardoso vence na consagração de Gustavo Veloso

Manuel Cardoso vence na consagração de Gustavo Veloso

O português Manuel Cardoso (Banco Bic-Carmin) venceu a 10.ª e última etapa, em Lisboa, na qual o espanhol Gustavo Veloso (OFM-Quinta da Lixa) se consagrou vencedor da 76.ª Volta a Portugal em bicicleta.

O "sprinter" português celebrou no centro da capital portuguesa, no final dos 167,1 quilómetros da tirada que partiu de Burinhosa, em 4:08.21 horas, o mesmo registo do italiano Davide Viganò (Caja Rural) e do russo Sergey Shilov, segundo e terceiro classificados.

Gustavo Veloso sucede no historial da competição a Alejandro Marque, impondo-se na classificação geral ao português Rui Sousa (Rádio Popular-Onda) e ao compatriota e companheiro de equipa Delio Fernandéz, que terminaram a 2.01 e 2.54 minutos, respetivamente.

 

TGV do Norte ganha em Lisboa

Na luta pelo derradeiro triunfo da 76ª Volta a Portugal Liberty Seguros, em Lisboa, Manuel Cardoso (Banco BIC/Carmim) impôs-se ao sprint e participou na festa da coroação de Gustavo Veloso (OFM/Quinta da Lixa) e no encerramento apoteótico da Volta 2014 na capital. Atrás de Cardoso cortou a meta o italiano Davide Vigano (Caja Rural) e o russo Sergey Shilov (Lokosphinx). Depois de várias tentativas para bater a concorrência ao sprint, Cardoso, de 31 anos, conseguiu finalmente triunfar este domingo: “Trabalhámos desde o primeiro dia para esta vitória. Estou muito feliz. Depois de não ter conseguido nas outras hipóteses onde podia ter ganho, a equipa acreditou em mim, deu-me uma confiança extra e hoje vinha convicto que tinha de ganhar. Dei tudo e cheguei à vitória”, afirmou sorridente o sprinter conhecido pelo “TGV do Norte”.

O triunfo de Manuel Cardoso, importante para a equipa Banco Bic/Carmim por ser o único nesta Volta, diluiu-se na consagração do Gustavo Veloso, Camisola Amarela Liberty Seguros desde o final da 3ª etapa, na Serra do Larouco (Montalegre). Para o galego de 34 anos da OFM/Quinta da Lixa ganhar a Volta teve um sabor especial. “Fiz tudo o que estava nas minhas mãos para ganhar. Treinei muito, superei as dificuldades com os meus companheiros de equipa e chegámos à Volta por amor-próprio e com grande profissionalismo. Esta vitória mostra que somos uma grande equipa, um grupo muito unido”.

Ficam também para a história da 76ª Volta a Portugal Liberty Seguros as outras classificações que no último dia de competição não sofreram alterações: Davide Vigano (Caja Rural) foi o corredor mais pontuado e ganhou a Camisola Vermelha Banco BIC. António Carvalho (LA Alumínios/Antarte) foi o melhor trepador e vestiu a Camisola Azul PODIUM. David Rodrigues (Seleção Nacional) ganhou o prémio da juventude simbolizado na Camisola Branca RTP.

 

Os últimos quilómetros

Antes da chegada a Lisboa, a pequena aldeia da Burinhosa, concelho de Alcobaça, esteve em destaque ao receber, pela primeira vez, a prova rainha do ciclismo nacional. Depois de 10 dias de cansaço acumulado nas pernas, os protagonistas desta história tinham de cumprir os últimos 167 quilómetros.

Após a partida, em clima de festa, e várias tentativas de fuga, três homens quiseram evidenciar-se nesta última tirada da 76ª Volta a Portugal Liberty Seguros. César Fonte (Rádio Popular) deu o mote e Carlos Ribeiro (Selecção Nacional) em dia de completar 22 anos acompanhou a roda juntando-se aos portugueses Segundo Navarrete (Team Equador). O trio rolou junto cerca de 74 quilómetros e já no centro da capital, quando faltavam 10 quilómetros para a meta, César Fonte, o último resistente, foi alcançado pelo pelotão, que discutiu em bloco a chegada ao topo da Avenida da Liberdade junto ao Marquês de Pombal.

A etapa deste domingo ficou também marcada por momentos de forte simbolismo. A caravana passou junto à estátua de Joaquim Agostinho, em Torres Vedras, onde centenas de pessoas se juntaram à homenagem que os “heróis do asfalto” fizeram àquele que é considerado o melhor corredor português de todos os tempos. Joaquim Gomes, diretor de prova, antecipou-se à frente da corrida e junto ao monumento que relembra Agostinho ofereceu ao irmão, Alfredo Agostinho, um exemplar do relógio Festina comemorativo da Volta a Portugal.

 

Quem é o Rei da Volta 2014?

Gustavo Veloso começou a pedalar aos 18 anos. Na primeira corrida obteve o terceiro lugar. No ano 2000 veio para Portugal, representar o Boavista, onde conheceu Adrian Palomares, pessoa que seria muito importante na carreira. O pior veio depois. Veloso passou pela equipa Relax-Bodisol e, mais tarde pela Kaiku, conjunto que foi extinto.

Na Xacobeo/Galicia Veloso venceu a Volta à Catalunha, em 2008, mas no ano seguinte viu a equipa desaparecer e viveu nesse tempo a pior fase da vida. Chegou a equacionar abandonar o ciclismo, mas o apoio da família deu-lhe novamente “ganas” para pegar na bicicleta e procurar outras metas. Adrian Palomares resgatou-o do desemprego e deu-lhe uma vaga na Andalucia, uma outra formação que acabou também por fechar portas.

Em 2013 começou a sua segunda fase em Portugal. Com ela vieram os êxitos, primeiro como "vice" de Alexandro Marque, vencedor da Volta em 2013 e agora como vencedor da 76ª Volta a Portugal Liberty Seguros. Gustavo Veloso tem 34 anos, nasceu em Villagarcia de Arosa, na Galiza , é casado e pai de dois filhos.