Mais de uma centena de artistas em quatro edições da Ofensiva Amada

Mais de uma centena de artistas em quatro edições da Ofensiva Amada
Teatro de revista, arte urbana, poesia e dança contemporânea juntos no mesmo palco. Na próxima quinta-feira, 21 de Julho, o Grande Auditório do Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, recebe mais uma Ofensiva Amada, um espectáculo que une diferentes vozes e diferentes realidades de um dos concelhos mais heterogéneos e multiculturais do país.
 
Este é já o quarto mês de um projecto que promove cruzamentos e novos diálogos num já longo repertório. Com esta quarta edição, a Ofensiva chega aos 114 participantes, entre escritores, historiadores, filósofos, arquitectos, designers, marionetistas, músicos, performers, contadores de histórias, cineastas, actores, declamadores e encenadores.
 
Em Julho, o Grupo de Teatro de Fontanelas e Gouveia traz excertos da revista "Bodas de Ouro” para celebrar meio século de existência. O grupo não actua no Olga Cadaval há 40 anos. O regresso emotivo de um colectivo histórico sintrense que enche salas a cada espectáculo.
 
Nesta edição, espaço também para uma reflexão sobre o urbano. O designer e investigador Miguel Portelinha fala sobre o papel da arte urbana nas cidades e garante que sim, “riscos na parede” podem ser bonitos. Uma oportunidade para aprender como se faz um stencil, com demonstração ao vivo. Na fronteira entre o urbano e o rural, o arquitecto Gonçalo Moleiro responde à pergunta: "Arquitectura para quê?", com a projecção da curta-metragem "Não há papéis secundários na vida das cidades", de Nuno Silva e Ricardo Rasteiro.
 
Na programação, destaque ainda para “Narrativa Interior” - dança contemporânea inspirada em Wagner pela bailarina e coreógrafa Clara Marchana, acompanhada pelo pianista e compositor Raul Pinto.
 
E se um artista croata se perdesse de amores por Portugal e pela cultura portuguesa? A resposta na Ofensiva Amada. O músico e actor Ivan Colaric diz "Tabacaria", de Fernando Pessoa ao som de uma composição sua ao piano. Mas a poesia não fica por aqui. Inês Alenquer, uma jovem actriz de 11 anos, declama poemas de José Valentim Lourenço - poeta e dramaturgo popular, autor das quadras da "aldeia em verso" de Sintra e o fundador do grupo de teatro de Fontanelas e Gouveia.
 
A Ofensiva Amada é também solidária. Numa colaboração com a missão ÚNICA, que apoia jardins de infância na Guiné-Bissau, o público é convidado a trazer roupa, medicamentos, material de primeiros-socorros e material didáctico que serão entregues na próxima missão desta ONG.
 
A Ofensiva Amada acontece todas as terceiras quintas-feiras de cada mês no Centro Cultural Olga Cadaval. Este projecto nasceu da vontade de abrir um espaço da cultura de excelência no concelho a diferentes vozes e novos públicos. Produzida por duas associações culturais locais - a Alagamares e a Musgo -, a Ofensiva Amada quer afirmar-se como um momento regular de dinamização cultural em Sintra, com artistas sintrenses e convidados nacionais e internacionais. Um espectáculo comunitário de artes performativas, sem apresentador, com muito ritmo, criando contrastes e encontros improváveis.