Mais de 600 praias consideradas boas para a prática balnear até Outubro

Mais de 600 praias consideradas boas para a prática balnear até Outubro

O Ministério do Ambiente classificou um total de 608 águas como boas para a prática balnear, 502 delas em praias costeiras, fixando os períodos de funcionamento das praias entre 01 de maio e 19 de outubro.

A portaria, publicada esta semana em Diário da República, classifica 502 águas balneares costeiras e de transição e 106 águas balneares interiores.

O Norte, com 121, é a região hidrográfica com mais praias costeiras classificadas como tendo águas boas para ir a banhos.

Seguem-se as regiões hidrográficas do Algarve, com 108, Tejo e Oeste (104), Açores (60), Madeira (41), Centro (35) e Alentejo (33).

Como águas balneares interiores estão qualificadas 38 praias na região do Tejo e Oeste, 33 no Norte, 32 no Centro, uma no Alentejo e duas no Algarve.

O diploma apresenta ainda os diferentes períodos de funcionamento das concessões das praias, que variam entre 01 de maio e 19 de outubro.

Na região do Tejo e Oeste, as praias de Cascais foram as primeiras a abrir, a 01 de maio, para funcionarem com vigilância até 30 de setembro, e as de Oeiras abrem de 17 de maio até 15 de setembro.

Nas praias de Almada, entre as quais as da Costa de Caparica, a época balnear oficial funciona entre 01 de junho e 15 de setembro, o período escolhido também pela generalidade das outras praias do Oeste e da região do Tejo, exceto no Seixal e em Sesimbra, onde a época balnear se prolonga até 30 de setembro.

No Alentejo, as praias de Setúbal abrem a 31 de maio, assim como a da Comporta, em Grândola, enquanto a época balnear das restantes decorre entre meados de junho e meados de setembro.

O mapa apresenta ainda 29 praias costeiras que têm "uso limitado", entre as quais as praias da Adraga, Magoito e São Julião, em Sintra, Zambujeira do Mar (Odemira), do Castelo e da Coelha (Albufeira), Arrifana (Aljezur) e as do Camilo e Dona Ana, em Lagos.

O Ministério do Ambiente informou na terça-feira que praias de 19 municípios afetadas pelo mau tempo vão receber obras de proteção e valorização financiadas por verbas comunitárias, no total de 15,5 milhões de euros, que resultam da candidatura dos territórios mais afetados pelos fortes temporais do último inverno.

O início do ano foi marcado por tempestades frequentes e intensas, semanas consecutivas de perturbação atmosférica e agitação marítima forte, com galgamentos do mar em vários pontos do litoral e consequente destruição de sistemas de proteção e de estruturas instaladas na linha da frente da orla costeira, como bares de praia.

O mau tempo provocou estragos em muitas praias distinguidas com a bandeira azul, mas o presidente do programa que gere o galardão já afirmou estar previsto um alargamento excecional do prazo para o hastear da bandeira em locais contemplados e que estão a ser intervencionados.