Lisboa pode ficar apenas com uma urgência pediátrica

Lisboa pode ficar apenas com uma urgência pediátrica

A comissão de reavaliação das urgências propõe que Lisboa passe a ter um único serviço de urgência pediátrica aberto durante a noite, de acordo com o documento entregue ao Ministério da Saúde.

Actualmente, há três urgências pediátricas em Lisboa – Santa Maria, Estefânia e São Francisco Xavier – sendo que só duas estão abertas no período nocturno.

A “integração/centralização” proposta pela Comissão “ajudará a rentabilizar os recursos humanos e técnicos disponíveis e deve ser equacionada, numa fase inicial, num único centro para o período nocturno”, refere o documento agora divulgado.

A comissão não indica qual dos hospitais deve permanecer com a urgência nocturna aberta, mas refere que a unidade dever ter “capacidade de atendimento e recepção de todo o ripo de situações, incluindo trauma grave e neuro-trauma”.

Além disso, aponta o Santa Maria como tendo as melhores condições para ser um serviço de urgência pediátrica polivalente.

É ainda deixada uma porta aberta para outras eventuais modificações em termos de centralização de urgências pediátricas em Lisboa, que “poderão ser reflectidas no futuro”.

No capítulo dedicado às urgências pediátricas, os peritos lembram que no Porto já existe uma única urgência polivalente integrada no Hospital de São João, que integra pediatras e cirurgiões deste hospital, do Pedro Hispano, do Centro Hospitalar do Porto e do Centro Hospitalar Gaia/Espinho.

Também em Coimbra há uma única urgência pediátrica no Hospital Pediátrico do Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

Na proposta que já está concluída desde Fevereiro, é considerada adequada a existência de quatro serviços de urgência pediátrica polivalente (as mais completas) no país: Porto, Coimbra, Lisboa e Faro.

“Os serviços de urgência pediátrica que actualmente mais se adequam a esta estratégia são o Hospital de São João (Porto), Pediátrico de Coimbra, Hospital de Santa Maria (Lisboa) e Hospital de Faro”, refere o documento.

Como serviço de urgência pediátrica polivalente entende-se uma unidade para atendimento de “fim de linha” para crianças com situações de doença ou trauma grave” e que tenha apoio das diversas especialidades, incluindo neurocirurgia.

Já na proposta da Carta Hospitalar Materna, da Criança e do Adolescente, apresentada no mês passado, se sugeria que a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo reveja a necessidade de funcionamento simultâneo das três urgências pediátricas existentes, sobretudo durante a noite.