Ligação do metro de Lisboa à Linha de Sintra na Reboleira é inaugurada na quarta-feira

Ligação do metro de Lisboa à Linha de Sintra na Reboleira é inaugurada na quarta-feira
A nova estação da Reboleira da Linha Azul do Metropolitano de Lisboa, no concelho da Amadora, que vai permitir mais uma ligação à linha ferroviária de Sintra, vai ser inaugurada na quarta-feira, informou hoje a empresa transportadora.
 
“A partir do dia 13 de abril será possível viajar entre Reboleira e Marquês de Pombal, em 19 minutos e entre Reboleira e Baixa-Chiado, em 24 minutos”, revelou a Transportes de Lisboa (TL), que integra a rodoviária Carris, o Metropolitano e a Transtejo.
 
A nova estação da Reboleira, que entra em funcionamento às 13:00, prolonga a Linha Azul da rede de metro numa extensão de 579 metros, criando um novo interface de transportes com os comboios da Linha de Sintra.
 
“Estima-se que, em velocidade cruzeiro, venham a utilizar esta nova estação cerca de sete milhões de passageiros/ano”, lê-se no ‘site’ da empresa, prevendo que essa utilização permita “uma redução de cerca de 3.000 toneladas de CO2 produzido anualmente”.
 
O Metropolitano tinha anunciado, em junho de 2015, “a abertura à exploração até ao final” do ano, após terem sido retomados os trabalhos do novo troço Amadora Este/Reboleira, mas a entrada em funcionamento da nova estação foi adiada por duas vezes, inicialmente para “o primeiro trimestre” de 2016, depois para o “início do segundo trimestre”.
A abertura será agora concretizada a 13 de abril, muito depois de o estudo de impacte ambiental da obra, de 2007, ter previsto o início de exploração para agosto de 2010.
 
“Com a nova estação Reboleira é criado um novo interface multimodal que reforça o sistema de transportes da Área Metropolitana de Lisboa, reunindo metro, autocarros, comboio, táxis, ciclovia, e oferecendo, ainda, parqueamento de bicicletas e estacionamento automóvel”, esclareceu a TL.
 
Segundo avançou a transportadora à agência Lusa, “o valor global do empreendimento é de cerca de 60 milhões de euros”, contabilizando o investimento da primeira fase, superior a 45 milhões de euros, que também está abrangido por financiamento comunitário de 42,5 milhões do Fundo de Coesão, para despesas realizadas entre 2007 e 2015.
 
A primeira fase contemplou a construção do túnel, da estação e zona terminal da Reboleira, mas os trabalhos foram suspensos devido a problemas de financiamento.
 
A empreitada agora concluída, orçada em 8,795 milhões de euros, contemplou as especialidades “de construção civil, baixa-tensão, telecomunicações, via-férrea, eletromecânica e arranjos exteriores à superfície na zona adjacente à estação, na Rua das Indústrias e no Parque Armando Romão”, explicou a TL.
 
A par das obras do metro, a Câmara da Amadora avançou com uma intervenção na Avenida D. Carlos I, para aumentar o estacionamento, reforçar a iluminação pública, criar zonas de estadia e fazer a ligação da pista de caminhada da Reboleira ao centro da cidade.
 
“Havendo este investimento da ligação do metro à ferrovia, também investimos para trazer mais segurança ao espaço público, para que as pessoas se sintam mais motivadas a usar o transporte público”, salientou a presidente da autarquia, Carla Tavares (PS).
 
A intervenção, com “um investimento de cerca de 600 mil euros”, teve como objetivo requalificar o espaço público entre o Bingo do Estrela da Amadora e a estação da Damaia, incluindo a valorização dos 600 lugares do parque de estacionamento da Infraestruturas de Portugal (ex-Refer) e uma centena de lugares junto ao interface da Reboleira.
 
As estações de Amadora Este, na Falagueira, e de Alfornelos foram inauguradas em maio de 2004, no âmbito do prolongamento do troço da Pontinha da Linha Azul que, com a ligação à linha ferroviária de Sintra, passa a ter uma extensão de 13,7 quilómetros, com 18 estações entre a Reboleira e Santa Apolónia (Lisboa).