Jovem acusada de esfaquear menor mostra-se arrependida

Jovem acusada de esfaquear menor mostra-se arrependida

A jovem acusada de esfaquear 17 vezes uma menor em Algueirão-Mem Martins, em Sintra, mostrou-se hoje arrependida em tribunal, afirmando que estava “descontrolada, bêbeda e drogada” quando agrediu a vítima.

A arguida, que na altura dos factos tinha 17 anos, está indiciada por um crime de homicídio qualificado na forma tentada e por um crime de ofensa à integridade física.

De acordo com a acusação, a 27 de maio do ano passado, a jovem terá esfaqueado com uma navalha uma menor de 14 anos por 17 vezes, depois de uma discussão entre ambas, provocando-lhe várias lesões e cicatrizes.

Segundo a acusação, a jovem terá dito à vítima: “És uma branca bonita, mas vais ficar fatela porque eu sou louca”.

Outro jovem que terá tentado separá-las foi esfaqueado na mão esquerda e no antebraço, tendo sido submetido a uma cirurgia plástica.

Na primeira sessão do julgamento, que decorreu hoje no Tribunal de Sintra, a jovem arguida mostrou-se arrependida afirmando ao coletivo de juízes que nessa noite tinha estado com um grupo de oito jovens a beber e a fumar haxixe numa festa na casa de um amigo.

“Eu estava inconsciente, descontrolada, porque tinha fumado e bebido. Eu não sou assim, estava drogada”, afirmou.

A jovem adiantou que a discussão com a menor teve início quando alegadamente partiu um cigarro que continha cocaína, tendo então sido agredida pela menor pelas costas.

Esta versão contraria o que consta da acusação, na qual é referido que ambas terão discutido na casa de banho por a arguida ter exigido 10 euros à menor.

A arguida explicou ao tribunal que tinha adquirido a navalha de sete centímetros uma semana antes, adiantando que não tinha intenção de matar a menor.

Da parte da manhã foi ainda ouvido o jovem que tentou separar a arguida e a menor. Esta testemunha adiantou que as jovens tinham discutido no apartamento de um amigo, tendo depois descido “lá para baixo”, onde tudo se passou.

O jovem disse desconhecer as causas da discussão, negando a existência de cocaína na festa.

A arguida tem 18 anos, está detida no Estabelecimento Prisional de Tires e está indiciada noutro processo que ainda não tem data marcada, relativo a um crime de furto.