Invasão nocturna na Pena e Monserrate

Invasão nocturna na Pena e Monserrate

Parques e palácios de Sintra visitados por milhares de pessoas em iniciativa inédita.
João Pedro, de oito anos, não escondia o seu entusiasmo por estar num local cheio de história e que apenas conhecia de uma visita escolar feita durante o dia. "Isto à noite é muito mais giro", dizia, acompanhado pelos pais, vindos propositadamente de Alverca, "para ver uma das maravilhas de Portugal". O fascínio de uma visita nocturna ao Parque e ao Palácio da Pena atraiu centenas de famílias como a do João Pedro, estimando-se em mais de três milhares o número de visitantes registado entre as 20 e as 24 horas de sexta-feira, altura em que aquela jóia abriu portas para visitas gratuitas, no âmbito das Jornadas Europeias de Património.
A serra de Sintra conheceu um movimento pouco habitual, com centenas de pessoas em filas de espera a aguardar a sua oportunidade para entrar no antigo refúgio de D. Fernando II. Outros, porém, tiveram de desistir e voltar para trás. "Tive de desistir. Demorei duas horas para estacionar e quando cheguei à porta do parque disseram-me que já não podia entrar mais ninguém. A minha filha, de cinco anos, queria ver o palácio das princesas e não pára de chorar", dizia desalentada Teresa Silveira, de Almada.
Em simultâneo, decorriam visitas guiadas, à Cruz Alta, e ao interior do Palácio, previamente marcadas numa lista de inscrições que esgotou a sua capacidade uma semana antes da iniciativa, o mesmo acontecendo com o jantar temático que ali decorreu.
"Deviam fazer isto mais vezes. Este local tem um fascínio que à noite assume outras proporções", dizia João Costa, "um sintrense apaixonado pelo romantismo desta vila património Mundial", como fez questão de sublinhar.
De resto, António Nunes Pereira, director do Palácio da Pena, revelou alguma surpresa pelo grande interesse que a abertura nocturna desencadeou e admitiu repetir a iniciativa noutras ocasiões: "A noite é o tempo ideal para a vivência deste ambiente romântico. Infelizmente, por razões de segurança, não é possível ter este espaço aberto neste horário. No entanto, com as Jornadas Europeias do Património, decidimos abrir excepcionalmente o parque e o palácio à noite, numa iniciativa que envolve uma logística gigantesca mas que, apesar de tudo, esperamos repetir".
Na noite de sábado, em Monserrate, embora ainda sem números oficiais, a adesão do público foi mais uma vez elevada, com reflexos positivos na economia local, nomeadamente, no sector da restauração. Em paralelo, desta vez para assinalar o Dia Mundial do Turismo, a Câmara de Sintra desafiou os restaurantes da vila a criarem menus específicos a preços mais acessíveis e o resultado foi francamente positivo. "Nestas duas noites tive mais gente do que no mês inteiro. Serviu para esquecer a crise...", confidenciava o proprietário de um restaurante em São Pedro de Sintra.