Invasão de Harley-Davidson na Marina de Cascais

Invasão de Harley-Davidson na Marina de Cascais

De colete de cabedal e lenço na cabeça, milhares de motociclistas, vindos de toda a Europa, invadiram a Baía de Cascais para exibir as suas Harley-Davidson no âmbito do encontro europeu da conhecida marca americana.

Umas mais simples e discretas, outras mais coloridas e arrojadas, mais de 12 mil motas, vindas da Suíça, Itália, França, Holanda, Espanha e outros países, estão em Cascais para participar no 21.º Encontro Europeu Harley-Davidson, evento que começou na quinta-feira e decorre até domingo.

Habituada a turistas de fato de banho, chinelos e toalha de praia, a Baía de Cascais conhece agora novos visitantes, cuja indumentária [botas altas, colete e calças de cabedal pretas e lenço na cabeça ou ao pescoço] não deixa dúvidas: são aficionados de motas.

O habitual som do mar, das gaivotas e das campainhas das bicicletas foi também substituído pelo barulho ensurdecedor de quem mais acelera ao passear pela vila com uma vista privilegiada e que está a encantar os participantes.

Urs veio da Suíça com mais 17 amigos e está a "gostar muito" da experiência e do local escolhido este ano para a encontro.

"Já conhecia Lisboa, mas nunca tinha estado em Cascais. Este é um sítio ótimo e vamos ficar duas semanas a passear por Portugal, Espanha, França e Itália", disse à agência Lusa.

Já Manuel Perez e os seus 30 companheiros não vieram de longe. "Somos da Galiza (Espanha). A nós fica-nos pertinho. Parece que estou na minha terra", contou.

“A muito boa relação com os portugueses e o local maravilhoso" está a deixar o clã galego satisfeito com a experiência.

De Londres, mas a falar português, José Nunes participa este ano pela primeira vez no encontro europeu de Harley-Davidson.

"É a primeira vez que estou a participar. Como tenho casa em Alcabideche [concelho de Cascais] resolvi cá vir porque tenho aqui a mota. Isto está fantástico. Estar aqui com pessoas de tantos países é muito bom", afirmou.

Outras actividades, como simuladores e ‘test-drive' numa Harley-Davidson e concertos à noite, são também um atractivo para os visitantes que, segundo o diretor-geral ibérico da marca, Josep Grañó, não se exige que sejam proprietários de uma mota da marca americana, nem sequer que sejam motociclistas.

"É uma festa para os proprietários das Harley-Davidson, mas também para os proprietários de outras marcas e até para as pessoas que não têm mota, mas querem viver a experiência, como pais e filhos que vêm só para tirar fotografias", frisou o responsável que, no fim de semana, está a contar com uma afluência de 65 mil pessoas à Baía de Cascais.

O grande momento do encontro realiza-se no sábado, com o "desfile das bandeiras" de cinco mil motas Harley-Davidson que vão percorrer 20 quilómetros, de Cascais ao Autódromo do Estoril, a exibir a bandeira do seu país.

Sobre Cascais, Josep Graño está "muito contente" com a escolha que lhe pareceu "óbvia" e promete regressar.

"O encontro tem de ser numa cidade que seja um destino turístico, com boas estradas e bons hotéis. Gostaria muito de voltar e, para Portugal, é muito importante ter este evento e, do que tenho falado com as pessoas, estão a adorar", concluiu.

O Harley Owners Group (HOG) Rally é o mais antigo clube de proprietários do mundo de Harley-Davidson, contando com mais de um milhão de membros e o apoio da marca de Milwaukee. Na Europa os adeptos são 100 mil.

Fundado em 1991, o encontro HOG European Rally é realizado anualmente em diferentes destinos europeus.

Em 2013, a marca Harley-Davidson comemora 110 anos e o encontro europeu irá realizar-se na capital italiana, Roma.