Indústria de vestuário de Torres Vedras à venda por decisão dos credores

Indústria de vestuário de Torres Vedras à venda por decisão dos credores
A fábrica de confeções das ‘camisas d'assenta', em Torres Vedras, vai ser vendida no prazo de três meses, devendo os postos de trabalho ser mantidos, segundo decisão da assembleia de credores, disse hoje fonte judicial.
 
Na assembleia de credores, realizada na terça-feira no Tribunal da Comarca Lisboa Norte, em Loures, os 329 credores decidiram aprovar o relatório do administrador de insolvência, que propôs a "venda da fábrica com a manutenção dos postos de trabalho", no prazo de três meses, segundo o relatório do administrador de insolvência, a que a agência Lusa teve acesso.
 
O administrador Artur Bruno Vicente concluiu que, "apesar de todos os esforços, a sociedade não consegue cumprir com as suas obrigações vencidas, nomeadamente com fornecedores, trabalhadores, banca e Estado".
 
O passivo é superior ao ativo e as dívidas atingem os 6,7 milhões de euros, de acordo com a lista de todos os que se constituíram como credores, uma centena dos quais são trabalhadores que reclamam o pagamento total de 1,2 milhões de euros referentes a indemnizações por despedimento e a subsídios de férias e de Natal de 2011 a 2013.
 
Em março deste ano, a Sociedade Têxtil da Assenta pediu insolvência por não ter capacidade económica para cumprir as suas obrigações e pagar as suas dívidas e por não ter aumentado o volume de faturação.
 
A empresa atravessava dificuldades desde 2013, altura em que avançou para tribunal com um Processo de Especial Revitalização, no âmbito do qual foi aprovado um plano de recuperação, que, volvidos dois anos, não estava a conseguir cumprir por não estar a aumentar o volume de faturação.
 
A situação financeira é justificada com a "grave crise que afeta todo o setor dos têxteis".
 
O fabricante emprega 70 trabalhadores, que não têm salários em atraso, mas que correm o risco de despedimento se a continuidade da empresa não for garantida.
 
A Sociedade Têxtil da Assenta exporta 60% da sua produção, sobretudo para o Brasil, Angola, Moçambique, África do Sul, Bélgica, França, Inglaterra, Islândia e Suíça.