Honda Jazz 1.3 i-VTEC: Um carro com espaço para tudo

Honda Jazz 1.3 i-VTEC: Um carro com espaço para tudo
Entrou na terceira geração com reforço das características que o tornaram num modelo célebre, com mais de 20 mil unidades vendidas em Portugal, desde 201. O Honda Jazz está ainda mais espaçoso, versátil e confortável. 
Não chega a ser um monovolume, mas é sem dúvida o maior do seu segmento.
 
Muitos dizem ser carro de senhora, outros arriscam que foi feito à medida das famílias portuguesas. Graças à sua versatilidade e, sobretudo, ao espaço interior para passageiros e bagagens, o Jazz está disponível para todo o serviço: para levar os filhos à escola, para o trânsito citadino ou para os passeios de domingo. 
 
O transporte de móveis ou compras, de animais de estimação ou das pranchas de surf é também facilitado, graças aos já conhecidos bancos mágicos da Honda, que permitem várias configurações na utilização do espaço, com a bagageira de 354 litros a poder crescer até aos 897 litros.
 
Face à geração anterior, o Jazz cresceu 9,5 cm e aumentou a distância entre eixos em 3 cm, sendo a principal referência no segmento B em termos de espaço, ultrapassando até grande parte dos modelos de gama superior.
 
Com qualidade de construção irrepreensível, apresenta um interior cuidado e de bons materiais, a que se junta um invejável nível de equipamento (na versão Elegance Connect Navi). Aqui, destaque para o sistema Navi Connect, com ecrã tátil de 7'', colocado ao centro do tablier, e que engloba várias funções multimédia e acesso às aplicações do smartphone.
 
A abertura de portas e o arranque fazem-se sem chave, tem câmara de estacionamento traseiro, sensores, ar condicionado automático, jantes de liga leve de 16'' e faróis de nevoeiro. 
 
Porém, é no capítulo de segurança que se notam elementos por norma apenas visto em modelos de gama e preço muito superior, como o sistema de travagem ativa em cidade,  o alerta de colisão frontal, o reconhecimento de sinais de trânsito e o alerta de saída da faixa de rodagem.
 
A nota menos positiva vais, todavia, para o motor a gasolina 1.3 i-VTEC, de 102 cv, que acoplado a caixa de seis velocidades com escalonamento longo, parece menos potente do que realmente é. 
 
Mas, cumpridos alguns quilómetros, começamos a percebê-lo melhor e a tirar o devido rendimento, muito embora o seu ADN seja para uma condução suave e não para acelerar na serra de Sintra.
 
Com toda a tecnologia Earth Dreams, que o torna mais leve, consegue proporcionar consumos excelentes, na casa dos 5,8 l/100 km (a marca indica 5,1 l/100 km), o que é francamente bom para um carro com 1141 kg.
 
Paulo Parracho