Governo diz que reunião com câmaras da Valorsul é só em abril

O Ministério do Ambiente esclareceu hoje que a reunião com os autarcas dos municípios servidos pela empresa de tratamento de resíduos Valorsul para discutir a privatização da Empresa Geral de Fomento irá decorrer a 17 de abril.
 
A reunião foi anunciada hoje de manhã pelo presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares (CDU), mas na altura estava agendada para terça-feira.
 
A ideia, segundo explicou o autarca à Lusa, era os autarcas concentrarem-se em frente ao Ministério do Ambiente para reivindicar um encontro com o ministro Jorge Moreira da Silva, no qual pretendiam contestar a privatização da Empresa Geral de Fomento.
 
Em causa está o processo de alienação de 100% do capital estatal da Empresa Geral de Fomento (EGF), responsável pela recolha, transporte, tratamento e valorização de resíduos urbanos, através de 11 sistemas multimunicipais de norte a sul do país.
 
Estas empresas têm como acionista maioritário a EGF, sub-holding do grupo Águas de Portugal para o setor dos resíduos, cabendo aos municípios uma participação minoritária.
 
Poucas horas depois do primeiro anúncio feito por Bernardino Soares, os autarcas recuaram na sua pretensão, uma vez que, segundo disseram, fora marcada uma reunião para a próxima terça-feira (24 de março).
 
Contudo, ao início da noite de hoje, fonte do Ministério do Ambiente esclareceu, numa nota enviada à agência Lusa, que a reunião com o ministro Jorge Moreira da Silva ocorrerá a 17 de abril e não a 24 de março.
 
“Existe apenas um pedido de reunião do município da Amadora, rececionado no passado dia 11 de março, e que tem agendamento previsto e confirmado com o município para o próximo dia 17 de abril, data esta que antecipa o primeiro agendamento que tinha por data o dia 24 de abril”, refere.
 
Contactada pela Lusa fonte da Câmara de Loures remeteu uma posição dos autarcas para quinta-feira, reiterando, contudo, que a data que lhes foi transmitida pelo Ministério do Ambiente foi a de 24 de março.
 
Em setembro, o Governo anunciou que o consórcio SUMA, liderado pela Mota-Engil, tinha vencido o concurso para a privatização de 95% do capital da EGF.