GNR forma 1700 interlocutores locais para serem elo de ligação com populações

GNR forma 1700 interlocutores locais para serem elo de ligação com populações

 

Cerca de meio milhar de militares da GNR esteve empenhado no programa ‘Interlocutor Local de Segurança’ com o objectivo de formar responsáveis das comunidades locais para servirem de intermediários entre a população e aquela força de segurança.
Segundo dados de 2012, a que a agência Lusa teve hoje acesso, o programa, desenvolvido a nível nacional na área de actuação da Guarda Nacional Republicana, permitiu a realização de mais de duas centenas de acções e a formação de 1708 interlocutores com responsabilidades locais.
Nas 214 formações, desenvolvidas em Novembro, a maioria dos formandos era composta por presidentes de junta, tendo também recebido formação presidentes de câmara, vereadores, párocos, responsáveis dos bombeiros e de Instituições Particulares de Solidariedade Social, assim como presidentes de agrupamentos escolares e representantes de associações de pais e dos comerciantes.
“Esta iniciativa permitiu dar a conhecer melhor a estrutura e o funcionamento da Guarda, assim como explicar algumas questões ao nível da legislação. Serviu igualmente para quebrar o gelo entre a GNR e a população, além de que a troca de experiências e de conhecimentos têm como objectivo apoiar os cidadãos", explicou à Lusa um dos formadores.
Para o major Paulo Poiares, os Interlocutores Locais de Segurança servem para esclarecer a população sobre dúvidas que possam ter, ou então encaminhar as pessoas para os locais certos para tratarem dos assuntos ligados com a segurança.
“Esta iniciativa foi importante e positiva, pois permitiu aproximar a GNR da realidade de cada uma das localidades e levou a que fossem criados canais directos de comunicação entre os militares e os interlocutores locais. Além disso, possibilitou o aumento do sentimento de segurança de pessoas mais idosas e isoladas”, explicou o presidente da junta de freguesia de Almargem do Bispo, concelho de Sintra.
Rui Maximiano destacou ainda o facto de, nas formações, terem sido dados conselhos e recomendações a fim de evitar vários tipos de crime, nomeadamente burlas e furtos a residências, os mais frequentes. 
Além disso, o autarca considerou também relevante as explicações dos militares da GNR sobre os procedimentos legais que as populações devem adoptar em caso de necessidade.
A GNR adianta que o programa vai ser retomado este ano com a realização de mais acções de formação.
O programa ‘Interlocutor Local de Segurança’ destina-se a pessoas pertencentes a instituições com responsabilidades locais, que possuam competências e experiência em atendimento ao público ou que se relacionem com a população por motivo das suas funções e capazes de facilitar a interacção entre a GNR e a comunidade.
Entre os objectivos desta iniciativa estão a identificação de potenciais interlocutores de segurança, promover o policiamento comunitário e aumentar a qualidade da acção policial através do aprofundamento das relações comunitárias.