Freguesia do Parque das Nações vai ouvir moradores sobre gestão urbana

Freguesia do Parque das Nações vai ouvir moradores sobre gestão urbana
A Junta de Freguesia do Parque das Nações, em Lisboa, anunciou hoje que vai iniciar em novembro um programa de gestão urbana de proximidade, que visa ouvir moradores e comerciantes sobre as suas preocupações com o espaço público.
 
O objetivo da ação é “irmos abordando as pessoas, auscultando-as e, por outro lado, dando-lhes nota daquilo que são as nossas intervenções futuras naqueles espaços envolventes”, disse à agência Lusa o presidente da Junta de Freguesia do Parque das Nações, José Moreno.
 
Para isso, a Junta vai informar uma semana antes – através de panfletos colocados na caixa do correio – estes encontros, esperando receber contributos da população.
 
De acordo com o autarca, entre as intervenções previstas estão a recuperação dos Jardins Garcia d'Orta, do sistema de rega, que abrange uma área de 330 hectares, e do troço central da Alameda dos Oceanos, junto aos vulcões.
 
José Moreno explicou que a Junta decidiu fazer esta iniciativa devido ao “estado em que os espaços estão, fruto do natural desgaste do equipamento, como por exemplo o sistema de rega, com 17 anos, que começa a acusar desgaste do tempo e a falir e é preciso recuperá-lo”.
 
Segundo o responsável, em causa estão “projetos de grande envergadura que envolvem recursos financeiros grandes”, tanto da Junta como da Câmara, que ali tem sob sua alçada 75% dos espaços verdes do Parque das Nações.
 
Sem especificar valores, José Moreno indicou tratar-se de “centenas de milhares de euros”.
 
O vogal do Ambiente e Gestão Urbana, Luís Lucas Lopes, que vai encontrar-se com os moradores no âmbito desta iniciativa, adiantou à agência Lusa que a autarquia já fez um levantamento das 89 parcelas sob sua jurisdição, localizadas “junto aos condomínios e que tiveram anos a fio sem serem cuidadas e mantidas”.
 
Para as requalificar, a Junta vai optar por fazer intervenções “adaptadas aos novos tempos, de pouco dinheiro”, tentando gastar menos água e ter menos custos de substituição de plantas, exemplificou Luís Lucas Lopes.
 
Relativamente ao sistema de rega, vai ser implementado um que permita uma “gestão mais racional” da água, através de Bluetooth e de uma aplicação para telemóvel.
 
Prevê-se, ainda, a poda das 26 mil árvores que existem na freguesia, intervenção que não era feita há alguns anos e que levou a um “estado de abandono”, segundo Luís Lucas Lopes.
 
A manutenção do espaço público do Parque das Nações, zona reabilitada para a Expo’98, tem sido criticada por moradores, que consideram que há problemas ao nível de arranjos de exteriores, sistemas de rega e iluminação, entre outros.
 
A freguesia é gerida, desde 2013, pelo grupo de cidadãos Parque das Nações Por Nós (PNPN), liderado por José Moreno. Em abril, o PNPN assinou um acordo de coligação com o PS.
 
Esta é a freguesia mais recente do país e agrega áreas que pertenciam à freguesia dos Olivais (Lisboa) e ao concelho de Loures, tendo sido criada no âmbito da reforma administrativa.
 
Para José Moreno, “as pessoas estão mais compreensivas” sobre a realidade da freguesia, já que “as coisas estão a acontecer e a população está a ver que os espaços estão a ser recuperados”.