Falta de iluminação em vias da Grande Lisboa deve-se ao furto de cobre

Falta de iluminação em vias da Grande Lisboa deve-se ao furto de cobre

A falta pontual de iluminação em algumas vias rápidas na Grande Lisboa deve-se ao furto do cobre dos postos de transformação de energia, disse à Lusa fonte da Estradas de Portugal (EP).

Os sistemas de iluminação pública das vias IC22, IC19 e IC17 (itinerários complementares) e Eixo Norte-Sul “têm vindo, com alguma frequência, a ser alvo de actos de vandalismo, em especial de furto de cabos”, indicou a EP à Lusa.

A empresa revelou ainda que está a equacionar “soluções antifurto” para evitar situações futuras.

Na resposta à Lusa, a EP disse ainda que os furtos do cobre têm sido comunicados à polícia, a quem a empresa tem solicitado também mais vigilância.

Contactada pela Lusa, fonte da GNR disse que o IC 19 (que liga Lisboa a Sintra), o IC 22 (Odivelas-Loures) e o IC 17 (Algés-Sacavém) já foram alvos de furtos este ano.

“Além disto, temos a referir outra situação de furto de metais não preciosos no IC2, onde o suspeito foi detido em flagrante”, lê-se no comunicado da GNR.

No primeiro semestre deste ano, a GNR apreendeu perto de 16 toneladas de cobre em todo o país, o que representa um aumento de 515% em comparação ao mesmo período de 2011, durante o qual foram confiscados cerca de 2.600 quilos.

Até Junho deste ano, todos os distritos com maior incidência no furto de metais não preciosos tiveram um aumento de ocorrências, em comparação com o primeiro semestre de 2011, excepto o da capital.

Lisboa registou 767 casos (menos 421), o Porto teve 1.135 ocorrências (mais 389), em Aveiro houve 782 situações (mais 373), em Leiria a GNR detectou 793 ocorrências (mais 361), em Coimbra registaram-se 717 casos (mais 331) e em Faro há a assinalar 827 casos (mais 284).

A GNR deteve em todo o país, até Junho deste ano, 269 suspeitos, menos um que do que nos primeiros seis meses de 2011.