Exposição no Museu Berardo mostra 35 obras escolhidas pelo coleccionador

Exposição no Museu Berardo mostra 35 obras escolhidas pelo coleccionador
Uma exposição com 35 obras da Coleção Berardo nunca exibidas - como um pano de cena de Marc Chagall -, escolhidas pelo próprio colecionador, vai ser inaugurada na quarta-feira, no museu instalado no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
 
De acordo com o Museu Berardo, a exposição intitula-se "O olhar do colecionador/The collector's eye", tem curadoria do colecionador e curador desta mostra, José Berardo, e o objetivo é revelar algumas obras nunca exibidas além de dar uma visão particular do acervo.
 
Rui Sanches, Roy Lichtenstein, Frank Stella, Nelson Cardoso, Rui Chafes, Fernanda Fragateiro, James Rielly, Gilbert & George, Jason Brooks, John de Andrea, Peter Klasen, Mimmo Paladino, Enzo Cucchi, David Salle e Julian Schnabel são alguns dos artistas representados.
 
Uma das obras que será exibida pela primeira vez é um grande pano de cena, pintado pelo artista francês de origem russa Marc Chagall (1887---1985), em 1965, para a ópera "A flauta mágica", de Mozart, com encenação Günther Rennert e direção de Josef Krips, uma das produções do primeiro ano da nova Metropolitan Opera House, de Nova Iorque, em 1966/1967 - o chamado "ano inaugural" do Lincoln Center, projetado por Wallace Harrison.
 
Trata-se de um óleo sobre tela de linho com incrustações de pedras semipreciosas, com 23,5 metros por 13,5 metros, que faz parte de um conjunto de treze telas da mesma dimensão, vinte e seis panos de cena parciais e 121 figurinos, que foram especialmente concebidos para aquela encenação da ópera de Mozart.
 
Segundo o museu, esta é a primeira exposição com curadoria de José Berardo, passados nove anos da assinatura do protocolo com o Estado para a cedência da coleção, e oito anos desde a criação do museu, instalado numa parte do Centro Cultural de Belém.
 
De acordo com um texto de José Berardo sobre a exposição, o conjunto de obras é "uma seleção de afetos e não propriamente uma exposição organizada a partir de uma qualquer perspetiva sobre a história da arte".
 
"A exposição teve como ponto de partida algumas obras da coleção que, embora menos conhecidas do público, constituem parte das minhas predileções", escreve o curador. "É sempre um prazer renovado poder voltar a admirar o que há já algum tempo não se via", acrescenta.
 
José Berardo acrescenta que sempre se sentiu atraído pela escala opulenta de alguma pintura moderna e a seleção de algumas das obras reflete esse fascínio.
 
Neste aspeto, destaca o pano de cena criado por Marc Chagall e a obra "Severambia", de Frank Stella.
 
"O olhar do colecionador/The collector's eye" vai ficar patente até 27 de setembro deste ano.