Exposição antológica 'Loop' reúne cem obras de José Luís Tinoco em Lisboa

Exposição antológica 'Loop' reúne cem obras de José Luís Tinoco em Lisboa
Uma exposição antológica com uma centena de obras do pintor, arquiteto e compositor José Luís Tinoco, com uma criação cinética inédita intitulada "Loop", vai ser inaugurada na sexta-feira, no Pavilhão Preto do Museu de Lisboa.
 
Contactado pela agência Lusa, o artista, de 83 anos, disse que esta peça, "imaginada há muitos anos, só agora foi concretizada, pela sua complexidade".
 
A peça consiste num acrílico sobre tela de 30 por 80 centímetros, que gira sobre si própria, num movimento contínuo acompanhado por uma compilação de alguns temas musicais de José Luís Tinoco.
 
"Loop" - que também dá o título à própria exposição, com uma centena de obras de desenho e pintura - "exprime, em meia hora de duração, que se repete continuamente, a ideia do perpétuo retorno".
 
De acordo com José Luís Tinoco, o conceito do "loop" também está contido na própria organização da exposição, que vai buscar obras antigas, até às mais recentes, da sua longa carreira artística.
 
Para esta exposição em Lisboa - que ficará patente até 22 de maio -, o município de Leiria emprestou 30 das 50 obras do artista, parte do acervo do Museu de Leiria, cidade de onde José Luís Tinoco é natural.
 
O autor disse à agência Lusa que, embora tenha abandonado a arquitetura "por várias razões", a pintura, o desenho e a música continuaram a fazer parte da sua vida.
 
"No meu trabalho, alternei a abstração com a figuração, e fui fazendo uma pesquisa que consegui aprofundar, depois de deixar a arquitetura", recordou, sublinhando: "Todas estas áreas artísticas foram vividas com muita intensidade e paixão".
 
A exposição "Loop" - organizada pelas Galerias Municipais de Lisboa em colaboração com o São Luiz Teatro Municipal - é comissariada por Luísa Soares de Oliveira.
 
Tem a génese, segundo a organização, no programa “Os Lados do Mar”, um espetáculo que decorreu no São Luiz Teatro Municipal, em setembro de 2014, e que assinalou os 50 anos de carreira de José Luís Tinoco, como compositor, uma homenagem que começou na música e que agora se estende à pintura e ao desenho.
 
O criador indicou à Lusa que as obras apresentadas nesta exposição são provenientes sobretudo do Museu de Leiria e da sua coleção pessoal, numa seleção de quase 60 anos de atividade.
 
Arquiteto, artista plástico, designer, compositor, José Luís Tinoco nasceu em Leiria, em 1932.
 
Iniciou o curso de Arquitetura na Escola Superior de Belas Artes do Porto, concluiu-o em Lisboa e, entre os seus projetos, destacam-se as moradias em Ponte de Sor e no Restelo, em Lisboa (indicada para o prémio Valmor), e o plano para o bairro do Rego, também na capital, nunca concretizado.
 
Como músico, fez parte da geração inicial do Hot Club Portugal, nos anos de 1950, tocou com o conjunto de Heinz Wörner, escreveu canções como "No teu poema", "Madrugada" e a música de "Um homem na cidade".
 
Tem sido interpretado por músicos como Bernardo Sassetti, Mário Laginha, João Paulo Esteves da Silva.
 
À sua atividade de pintor, José Luís Tinoco tem associada a ilustração, o 'cartoon' e as artes gráficas. Salientam-se, entre outros trabalhos, as capas da obra de José Rodrigues Miguéis e de Alfred Jarry (Ed. Estampa), e a colaboração com os CTT, com a criação de mais de duzentos selos postais.
 
Dedicou-se igualmente ao desenho de mobiliário, cenários e de figurinos para bailado.
 
Como pintor, José Luís Tinoco expôs pela primeira vez em 1956 e, 30 anos mais tarde, fez uma retrospetiva na Fundação Calouste Gulbenkian, a que se seguiram exposições no Palácio Galveias (antológica, 1988), no Palácio Nacional da Ajuda, na galeria de arte contemporânea LM, em Sintra, e no Centro Cultural de Cascais, em 2013.
 
Em 2015 recebeu o Prémio de Consagração de Carreira da Sociedade Portuguesa de Autores.
 
A inauguração da exposição "Loop" está marcada para sexta-feira, às 18:00.