Exposição de 14 obras da série "As Óperas", de Paula Rego, na Casa das Histórias

Exposição de 14 obras da série "As Óperas", de Paula Rego, na Casa das Histórias

A Casa das Histórias, em Cascais, recebe uma exposição com 14 obras, de pintura e desenho, da série "As Óperas", realizadas pela artista Paula Rego, em 1983.
A mostra "As Óperas" estava programada pela anterior diretora, Helena de Freitas, que pediu demissão do museu em março, depois de decidida a gestão municipal da entidade, na sequência da extinção da Fundação Paula Rego pelo Governo.
Contactada pela agência Lusa, Catarina Alfaro, curadora da exposição, indicou que uma sala do museu irá acolher as 14 peças e, nas restantes seis salas, ficará mais de uma centena de obras de Paula Rego.
"Com a série das Óperas e obras relacionadas, todo o museu vai ficar ocupado com a exposição", apontou a conservadora principal da entidade.
A nova mostra temporária da Casa das Histórias Paula Rego é inspirada nos libretos e na memória infantil das óperas favoritas da artista de 77 anos, radicada em Londres, onde reside e trabalha.
Esta série foi apresentada publicamente pela primeira vez numa exposição de arte britânica, em Nova Iorque, intitulada "Eight in the Eighties", em 1983, ano em que foram criadas, "apenas em três meses".
Há ainda um conjunto de obras, muitas delas nunca antes exibidas, “que se relacionam, direta e indiretamente, com o universo operático e convocam dinâmicas trágico-cómicas entre personagens humanas, animalizadas e animais humanizados", descreveu a curadora.
Catarina Alfaro recordou que "este universo ambíguo e complexo de interação entre humanos, animais, vegetais e híbridos, começou a ser construído pela artista nos inícios dos anos 80".
Para criar as obras, Paula Rego inspirou-se em óperas célebres como "La Bohème", "Aida", "Rigoletto", "Falstaff", "La Traviatta", "Fausto", "Carmen" e "Jenufa", entre outras.
Em abril deste ano, a pintora assinou em Londres, com o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, um novo acordo para a gestão do acervo e da Casa das Histórias.
Nesse novo acordo, ficaram na Casa das Histórias 574 obras doadas e mais 70 obras em regime de comodato (empréstimo), num conjunto composto por pinturas e desenhos de Paula Rego, e também por pinturas de Victor Willing, marido da artista, falecido em 1988.
Foi também criada uma comissão paritária, composta por Nicholas Willing, filho de Paula Rego, em representação da artista, e Salvato Telles de Menezes, por parte da autarquia, para acompanhar e aplicar as decisões do acordo.
Questionada sobre se as obras da série "As óperas" irão depois da exposição regressar a Londres, na sequência do pedido de Paula Rego para a devolução de cerca de 180 obras emprestadas, a curadora remeteu a resposta para a autarquia.
"As obras desta série são, de facto, da coleção pessoal da artista, mas ficaram para a exposição, como era seu desejo", comentou.
A série já tinha sido mostrada na Casa das Histórias, "mas este será um novo formato, com a apresentação num contexto alargado, de obras selecionadas que também fazem parte do acervo do museu".
A exposição "As Óperas" vai estar patente na Casa das Histórias Paula Rego, da próxima sexta-feira - dia da inauguração, às 19:00 -, a 29 de setembro.