Expectativa quanto às obras na rotunda do Marquês de Pombal

Expectativa quanto às obras na rotunda do Marquês de Pombal

Os condutores que diariamente passam pelo Marquês de Pombal, em Lisboa, esperam para ver os impactos da criação de duas rotundas na praça, medida que, admitem, poderá ser positiva, mas também poderá causar transtornos no trânsito.

Com o regresso de férias, vários automobilistas aperceberam-se hoje de manhã das obras no Marquês de Pombal, que durante as três próximas semanas impossibilitam o trânsito da lateral nascente da rotunda, entre as avenidas Fontes Pereira de Melo e Duque de Loulé.

O objectivo das obras é criar duas rotundas concêntricas no Marquês de Pombal, uma para os eixos principais e outra para as vias laterais, que será canalizada para o transporte público, numa tentativa da Câmara de Lisboa para tirar carros daquela zona e reduzir a poluição.

"Só depois de começar a trabalhar é que poderei ver se dá resultado. Como passo aqui todos os dias dezenas de vezes, só depois de as obras estarem prontas é que posso saber se vamos ter algum benefício com isto", diz à Lusa Jorge Conceição.

Durante a manhã e com as obras "a não causaram grandes transtornos", Pedro Monteiro admite que "não está dentro do assunto", mas que a medida de "distribuir melhor o trânsito", outro dos objectivos da obra, "à partida poderá organizar melhor o trânsito".

Opinião mais vincada tem Rui Pereira, um dos taxistas parados em frente à praça de táxis do Marquês, que ainda está vedada devido às obras que tiveram início há três semanas na lateral poente da Avenida da Liberdade, entre a Rua Alexandre Herculano e o Marquês de Pombal.

"Duas rotundas não dá! Como é que ele [o presidente da câmara] quer fazer isto? Está a pensar em quê? Vai fazer jardins? Para quê os jardins? Para nós não vai ser bom. Vai criar muita confusão e depois vai haver muitos acidentes. Além dos enganos. Se eles se enganarem, como é que vão fazer? Não sei, só vendo", indigna-se.

A Câmara de Lisboa pretende também reduzir as faixas de rodagem na Avenida de Liberdade, que vai ter na sua quase totalidade apenas duas faixas de rodagem em cada sentido e as laterais vão ser progressivamente pedonalizadas.

A autarquia quer terminar as obras durante o mês de Setembro, de modo a começar a testar a medida no final do mês.