Estádio Nacional prepara-se para a final da Taça de Portugal

Estádio Nacional prepara-se para a final da Taça de Portugal
O ministro da Presidência disse hoje que os incidentes da final da Taça de Portugal em futebol de 2014 não se vão repetir este ano, apesar de reconhecer que o Estádio Nacional “não oferece as melhores condições”.
 
Luís Marques Guedes, que também é titular da pasta dos Assuntos Parlamentares, observou que, apesar de o Jamor não ser o palco ideal para o jogo, dispõe, pelo menos, de “condições adequadas”, fruto do investimento de mais de dois milhões de euros nos últimos três anos.
 
A abertura de um novo acesso no topo norte, que elevará para quatro o número de entradas no recinto, deverá, segundo o governante, aliviar o fluxo na entrada principal, a Praça da Maratona, no jogo entre o Sporting e o Sporting de Braga, a 31 de maio, que deverá ter lotação esgotada.
 
“Houve alguns incidentes no ano passado. Com esses incidentes aprendemos e o que se estima é que este ano as alterações nas infraestruturas relativamente aos acessos para o estádio possam dar uma resposta adequada aos engarrafamentos e problemas na final do ano passado”, disse Marques Guedes, durante uma visita às obras que estão a ser realizadas no Jamor.
 
Antes da final da época passada, em que o Benfica venceu o Rio Ave por 1-0, a Polícia de Segurança Pública registou “alguma confusão” na entrada de centenas de pessoas, imobilizados junto à Porta da Maratona, que atribuiu à deslocação tardia dos adeptos.
“Este estádio comemorou no ano passado os 70 anos da sua construção e portanto não é propriamente ume estádio moderno, mas é o estádio mais querido de qualquer português adepto de futebol e de qualquer jogador”, assinalou o ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares.
 
Marques Guedes espera “ardentemente” que o Estádio Nacional continue a ser escolhido “por muitos e bons anos” para a realização da final da Taça de Portugal, “a prova rainha do futebol português”, o que justifica o investimento que tem sido realizado em acessibilidades e infraestruturas.
 
“É preciso permanentemente ir melhorando as condições sem pôr em causa este enquadramento ímpar e magnífico, mas que de facto - é preciso assumi-lo com toda a clareza -, não são as melhores condições para um espetáculo de futebol. Não são as melhores, mas são as adequadas”, frisou.
 
Marques Guedes assinalou também que as forças de segurança “reforçaram bastante” o dispositivo em relação ao ano passado e pediu ao presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, que esteve presente e do Braga, António Salvador, ausente da visita, que “desagravem” qualquer ambiente negativo que possa surgir antes da final da prova.