Estabilização de arribas nas Azenhas do Mar começa na próxima semana

Estabilização de arribas nas Azenhas do Mar começa na próxima semana

Os trabalhos de consolidação da arriba sul nas Azenhas do Mar, no litoral de Sintra, iniciam-se na próxima semana e incluem a demolição do snack-bar abandonado no miradouro, informou fonte da Agência Portuguesa de Ambiente (APA).

A empreitada de estabilização das arribas foi hoje consignada pela APA à empresa Tecnasol - Fundações e Geotecnia, pelo valor de "cerca de 270.000 euros, mais IVA [imposto sobre o valor acrescentado]".

O estaleiro será instalado no início da próxima semana e a obra terá a duração de três meses e meio.

A demolição do pequeno snack-bar devoluto permitirá recuar ligeiramente o muro de proteção do miradouro e manter os visitantes afastados da área mais crítica do topo da arriba.

Os trabalhos vão incluir o preenchimento com betão das cavidades na arriba instável e revestimento com pedra e argamassa para minimizar o impacto visual da intervenção.

"O estacionamento também vai ser reduzido, para que as pessoas possam desfrutar da vista e reduzir a carga dos veículos sobre a arriba", explicou um participante na visita de trabalho ao litoral sintrense, que juntou técnicos da APA, da empresa, da Junta de Freguesia de Colares e da Câmara de Sintra.

Na empreitada está incluída a construção de um muro de proteção na chamada "boca do Ancão", para travar a erosão provocada pelo mar na arriba junto à estrada que liga à Praia das Maçãs, na proximidade da escola primária das Azenhas do Mar.

O secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos, estimou em janeiro um investimento de 1,2 milhões de euros para a consolidação das arribas nas Azenhas do Mar, de um total de 4,5 milhões para o litoral de Sintra.

A obra insere-se no litoral do Programa Operacional Valorização do Território (POVT).

No final do ano deve ser lançada a estabilização da arriba norte, onde se aninham as casas da localidade e que constitui uma das imagens turísticas da região. A recuperação das piscinas deve ser incluída no projeto.

A Praia das Azenhas do Mar não foi considerada zona balnear e o concessionário adiantou hoje que, devido aos estragos provocados pelo mau tempo, "as piscinas não vão estar abertas", por motivos de segurança.

Os técnicos da APA visitaram depois a praia da Aguda. A autarquia pretende reabilitar as escadas na arriba, de forma a poder aumentar a segurança do acesso aos banhistas e das entidades de socorro, apesar de o areal não estar concessionado.

As escadas de acesso à arriba sul da Praia Grande, onde se situam os vestígios de pegadas de dinossauro, também serão recuperadas.

A escadaria, vedada com uma rede degradada, precisa de pequenos trabalhos de consolidação e limpeza e pode voltar a ser usada após sinalização dos riscos associados à erosão do litoral pelo Parque Natural de Sintra-Cascais.

O Ministério do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia anunciou esta semana obras de proteção e valorização em praias de 19 municípios afetadas pelo mau tempo, financiadas por verbas comunitárias, no total de 15,5 milhões de euros.