Escola da Amadora que ardeu continua fechada, alunos distribuídos por outros estabelecimentos

Escola da Amadora que ardeu continua fechada, alunos distribuídos por outros estabelecimentos
A presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares, assegurou hoje que a autarquia está a “fazer todos os esforços” para reabrir o mais rapidamente a escola Aprígio Gomes”, mas ressalvou que as atividades letivas estão asseguradas.
 
A escola Aprígio Gomes (primeiro ciclo, jardim de infância e creche), localizada no concelho da Amadora, distrito de Lisboa, está encerrada desde segunda-feira devido ao incêndio na área técnica do estabelecimento escolar.
 
Na sequência deste incidente, as cerca de 700 crianças foram transferidas provisoriamente para outros equipamentos escolares do concelho, onde permanecerão até à reabertura da Aprígio Gomes.
 
Em declarações esta tarde à agência Lusa, a presidente da Câmara Municipal da Amadora, Carla Tavares (PS), explicou que neste momento decorrem obras na escola e que ainda não existe uma data prevista para a conclusão dos trabalhos.
 
“Estamos a desenvolver todos os meios para que as crianças possam regressar o mais rapidamente possível. A nossa prioridade era que as crianças não ficassem prejudicadas naquilo que é a atividade letiva e conseguimos assegurar a sua colocação noutras escolas”, apontou a autarca.
 
Nesse sentido, Carla Tavares referiu que houve a preocupação de colocar cada ano do ensino básico numa escola diferente, de forma a “manter as mesmas turmas e o mesmo professor titular”.
 
Por seu turno, as crianças da creche foram reencaminhadas na terça-feira para respostas sociais da Santa Casa da Misericórdia da Amadora.
 
Relativamente aos estragos, a autarca explicou que eles foram maiores sobretudo no átrio de entrada, na área técnica e no refeitório, sendo agora necessário proceder à substituição de fios e cabos elétricos, mudar tetos e fazer outras “pequenas intervenções”.
 
A escola Aprígio Gomes tinha sido inaugurada em janeiro de 2010.