Ericeira recebe Festival Internacional do Ouriço-do-Mar com olhos na produção sustentável

Ericeira recebe Festival Internacional do Ouriço-do-Mar com olhos na produção sustentável
Biólogos das Universidades de Lisboa e de Évora e do Instituto Politécnico de Leiria estão a estudar a produção sustentável do ouriço-do-mar da Ericeira (Mafra), onde decorre até 9 de abril o Festival Internacional do Ouriço-do-Mar.
   
Os investigadores integram o projeto 'Ouriceira', investigação que se divide entre a gestão dos stocks no mar, através da proteção e repovoamento dos recursos, e a criação de soluções tecnológicas para os ouriços-do-mar virem a ser produzidos em aquacultura.
 
José Lino Costa, biólogo da Universidade de Lisboa que coordena o estudo no mar, explicou à agência Lusa que, quando os ouriços-do-mar estão na fase pré-reprodutora, as suas gónadas ("ovas") estão mais desenvolvidas e são uma iguaria gastronómica apreciada em todo o mundo.
 
Os ouriços-do-mar existem só entre janeiro e abril na costa da Ericeira, são "explorados até à exaustão" pelos pescadores e atingem "preços muito elevados". A sua apanha no período pré-reprodutor não só torna a gestão do stock "insustentável" em meio natural, como também "economicamente inviável" a atividade.
 
Estes motivos justificam a investigação para aprofundar o conhecimento sobre os ouriços-do-mar selvagens, avaliar os respetivos stocks, caracterizar a apanha e a sua cadeia de valor, assim estudar formas para uma exploração mais sustentável do recurso, desenvolver técnicas de cultivo e repovoamento no mar e transmitir o conhecimento aos pescadores.
 
O estudo, com a duração de três anos, incide na costa da Ericeira, entre Cascais e Peniche.
 
O ouriço-do-mar também ainda não é produzido em aquacultura à escala comercial. Os investigadores estão por isso a estudar essa hipótese não só para combater a diminuição dos stocks, mas também tirar partido do potencial de exportação que os ouriços-do-mar têm.
 
"É uma produção muito sazonal e o contributo que a aquacultura pode dar é tê-lo durante o ano inteiro", justificou à Lusa Ana Pombo, bióloga da Escola Superior de Tecnologias do Mar de Peniche do Instituto Politécnico de Leiria, que coordena esse estudo.
 
O trabalho, cuja candidatura a fundos comunitários foi aprovada esta semana, "consiste em estudar a produção e a reprodução do recurso até um tamanho considerado comercial, a alimentação necessária, as soluções tecnológicas e até a produção apenas das gónadas".
 
Os investigadores já conseguiram chegar a resultados, como a temperatura e a dieta adequadas e o tamanho dos ouriços, que comprovam a possibilidade de produção em aquacultura.
 
O projeto tem a duração de três anos e vai ser financiado por fundos comunitários destinados à inovação tecnológica, através do programa Mar 2020.
 
Ana Pombo adiantou que existem investidores interessados na produção e exploração comercial dos ouriços-do-mar.
 
Em 2014, foram capturadas 14 toneladas de ouriços-do-mar em Portugal, que renderam 12 mil euros.
 
Na Ericeira, cujo topónimo deriva de "ouriceira", terra abundante em ouriços e com tradições de apanha, decorre de hoje a 09 de abril a terceira edição do Festival Internacional do Ouriço-do-Mar.
 
Durante dez dias, várias experiências gastronómicas à base do ouriço-do-mar vão ser servidas em 24 restaurantes da vila, enquanto no mercado municipal decorrem demonstrações culinárias por chefs conceituados e degustações.