Empresa de Azeitão oferece cadeira a jovem do HGO

Empresa de Azeitão oferece cadeira a jovem do HGO

Tiago Fortuna, um jovem que sofre de osteogénese imperfeita e é acompanhado pelo Centro de Desenvolvimento da Criança (CDC) Torrado da Silva do Hospital Garcia de Orta (HGO), recebeu uma cadeira de rodas especial que lhe vai permitir uma melhor capacidade de acessibilidade.

Aos 19 anos, este jovem da Quinta do Anjo, Palmela, estudante de ciências da comunicação e escuteiro, apesar da doença diz encarar a vida de frente e pretende ser “o mais activo possível”. A frequentar a FCSH da Universidade Nova de Lisboa, revela ter a música como paixão e espera um dia poder trabalhar nesta área, na produção ou como jornalista. “Acredito bastante no potencial humano e no esforço destinado para sermos felizes”. Disse ainda Tiago Fortuna durante a cerimónia que se realizou no CDC.

A oferta desta cadeira especial resulta de mais um dos protocolos de parceria desenvolvidos pelo Hospital de Almada e empresas com o objectivo de alargar a capacidade de apoios na rede social. “Este é mais um passo neste projecto de optimizar o esforço desta equipa [CDC] para criar mais-valias”, afirmava Daniel Ferro, director do HGO, ao mesmo tempo que agradecia à empresa SafetyKleen, de Azeitão, por ter oferecido este equipamento ao jovem Tiago Fortuna.

“É impossível ficar insensível ao trabalho desenvolvido neste centro”, afirmava Pedro Pinheiro, Managing Director da SafetyKleen, realçando que “neste momento em que se fala tanto em crise, a diferença está nas pessoas. Meios iguais com pessoas diferentes produzem resultados diferentes”. Por isso a empresa se associou a este projecto de parcerias com o HGO.

Em Junho deste ano, Margarida Felicidade, de 7 anos, que também sofre de osteogénese imperfeita e é seguida no CDC, recebeu uma cadeira especial, desta vez oferecida pela Quartz Quality, de Palmela.  

A osteogénese imperfeita é uma doença rara que provoca grande fragilidade óssea. A patogénese desta doença é praticamente desconhecida e as terapêuticas existentes são dirigidas ao controlo dos sintomas. Os ossos das pessoas que sofrem desta doença genética partem com muita facilidade, em resultado de pequenos encontrões, movimentos mais bruscos, pequenas quedas, acontecendo por vezes fracturas espontâneas sem causa aparente.