Egas Moniz critica gastos com Hospital de Cascais, por incapacidade de resposta em psiquiatria

Egas Moniz critica gastos com Hospital de Cascais, por incapacidade de resposta em psiquiatria

O responsável da psiquiatria do Hospital Egas Moniz criticou hoje a tutela por pagar pelo departamento de saúde mental do Hospital de Cascais, quando este não tem capacidade de resposta e os doentes daquele concelho são seguidos em Lisboa.
As críticas foram lançadas hoje, durante a inauguração das novas instalações do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental (CHLO), que resultaram da transferência do serviço de psiquiatria que existia na Ajuda, pertencente ao mesmo centro hospitalar.
Numa breve apresentação sobre a história da evolução dos serviços de psiquiatria e saúde mental daquele centro hospitalar, o diretor daquele departamento, Caldas de Almeida, criticou o Ministério da Saúde por pagar aquele hospital e, simultaneamente, o Hospital de Cascais.
“Continuamos a atender doentes do Hospital de Cascais. O Ministério da Saúde continua a pagar ao Hospital de Cascais e nós é que tratamos os seus doentes, porque o Hospital de Cascais não responde às suas necessidades”, afirmou o responsável.
Lembrando que há uma “duplicação muito grande de serviços”, e que o Hospital de Cascais está a “rebentar pelas costuras”, porque não tem equipas de comunidade, Caldas de Almeida deixou mesmo a sugestão ao ministro da Saúde de “rever o contrato” do serviço de psiquiatria daquele hospital.