Ecco quer abrir 14 lojas próprias até 2017 para promover a produção feita em Portugal

Ecco quer abrir 14 lojas próprias até 2017 para promover a produção feita em Portugal
A multinacional de calçado Ecco, que na sua unidade da Feira emprega 1.165 trabalhadores e produz 15.000 pares diários, anunciou hoje que pretende abrir em Portugal 14 lojas próprias até 2017, para promover a produção feita em Portugal.
 
Atualmente, a marca dinamarquesa conta apenas com quatro pontos de venda no país, todos localizados no Norte, mas o diretor-geral da Ecco Portugal, Gustavo Kremer, anuncia agora a expansão comercial para a zona de Lisboa e do Algarve, recorrendo para o efeito a uma equipa de vendedores que irá receber formação especializada na fábrica da Feira.
 
"Temos que passar a informação aos clientes sobre o que é feito na Ecco portuguesa e tomámos a decisão de avançar para o sul do país", declarou Gustavo Kremer, anunciando uma nova loja para o Cascais Shopping já na próxima terça-feira e outra em seguida para o Freeport Outlet de Alcochete.
 
"Uma vantagem muito grande é que podemos dar formação aos nossos vendedores dentro da fábrica, para eles conhecerem bem o nosso processo tecnológico de fabrico, que é muito exigente, e depois saberem explicá-lo aos clientes", acrescentou.
 
O investimento previsto nesse alargamento da atividade comercial ainda não está acertado porque, segundo o responsável pela cadeia de retalho da marca, Johannes Quandt, tudo dependerá da morada das novas lojas. "O que interessa é que, se tivermos a localização certa, o dinheiro irá aparecer - até porque o 'retail' será muito mais importante no futuro", garante.
 
O presidente do Grupo Ecco, Dieter Kasprzak, disse que essa estratégia de crescimento surge em sequência de uma atualização no estilo da marca, cujas coleções se apresentam agora com modelos "mais modernos, mais frescos, mais 'vibrantes'".
 
Realçando que "as exigências de hoje são diferentes das de há 30 anos", o dinamarquês notou que "a complexidade dos modelos da marca é hoje muito maior", pelo que "é preciso estar sempre a evoluir para o nível seguinte".
 
Fundada em 1984 na freguesia de S. João de Ver, concelho de Santa Maria da Feira, a Ecco Portugal viu a sua produção encerrada em 2009, quando passou a dedicar-se apenas a funções de Investigação e Desenvolvimento.
 
Em 2011, contudo, as inundações ocorridas na Tailândia levaram a que a marca perdesse "em poucas horas" uma capacidade instalada de seis milhões de pares anuais, o que obrigou à retoma do fabrico em território português, para substituição urgente dessa produção.
 
Um ano mais tarde a Ecco Portugal voltou a trabalhar em pleno e, entre 2013 e 2015, a casa-mãe investiu 20 milhões de euros na fábrica da Feira, que, tendo contratado mais de 300 novos funcionários só em 2014, labora atualmente 24 horas por dia, com três turnos rotativos.
 
Dessa unidade saíram no ano passado cerca de 2,2 milhões de pares de sapatos, sendo que as estimativas para 2015 são de 2,8 milhões - aos quais se acrescentarão, segundo o responsável pelo seu departamento de Investigação e Desenvolvimento, José Augusto Marques, "40.000 amostras encaminhadas para 84 destinos diferentes".
 
A nível mundial, a Ecco emprega 19.800 colaboradores em 50 países, conta com 1215 lojas (400 das quais de gestão própria) e em 2014 vendeu 20 milhões de pares fabricados na Indonésia, China Tailândia, Eslováquia e Portugal (que assegura 15% da produção global).
 
A marca tem ainda fábricas de curtumes na China, Holanda, Indonésia e Tailândia, para abastecimento próprio e venda a entidades externas, o que no ano passado contribuiu para um volume de negócios global na ordem dos 1.169 milhões de euros e lucros de 114 milhões. As estimativas de crescimento, por sua vez, são atualmente de 5% ao ano.