É mesmo smart

É mesmo smart
A Smart tornou-se na primeira marca a disponibilizar versões totalmente eléctricas em toda a sua gama. Os novos ForFour, ForTwo e ForTwo Cabrio  mostram agora espírito a argumentos renovados para se imporem no seu habitat natural, a cidade. 
Modelo de entrada na gama, o tradicional ForTwo ED, apresenta-se com um motor eléctrico de 60 kW de potência, o equivalente a 82 cavalos, instalado no eixo traseiro, que surpreende pela agilidade e velocidade de reação que proporciona, embora com velocidade máxima limitada a 130 km/h. Os 160 Nm de binário na rodas traseiras explicam como este pode ser o rei dos arranques dos semáforos, embora não seja recomendável grande entusiasmo se quisermos ter em conta a autonomia da bateria.
De resto, face a outras propostas disponíveis no mercado e já dotadas de maior autonomia, este parece o maior ‘handicap’ do Smart Electric Drive: a pouca capacidade da bateria. São apenas 17,6 kWh, suficientes para garantir uma autonomia de 160 quilómetros (norma NEDC), valor que haveria de se revelar mais baixo no ensaio realizado pelo JR, o que causou algum embaraço na hora de regressar a casa. 
Os carregamentos em postos públicos podem ser feitos em 2,5 horas, mas na rede doméstica são necessárias oito horas para alcançar a carga total. Para 2018 estará disponível um carregador rápido opcional de 22 kW, que permitirá carregar totalmente a bateria em 45 minutos, usando ligação trifásica.
Sem preocupações com autonomia, a condução do Smart ED é bastante divertida, confortável e silenciosa. Os interiores e o nível de equipamento são semelhantes às versões convencionais, apenas com diferenças na conjugação de cores e no desenho das jantes.
Os novos Smart ED podem ser adquiridos a partir dos 22.500 euros para a versão ForTwo Coupé.
 
Paulo Parracho

Novo eléctrico da Smart carrega-se em 2,5 horas e tem autonomia para 160 km

 
A Smart tornou-se na primeira marca a disponibilizar versões totalmente eléctricas em toda a sua gama. Os novos ForFour, ForTwo e ForTwo Cabrio  mostram agora espírito a argumentos renovados para se imporem no seu habitat natural, a cidade. 
Modelo de entrada na gama, o tradicional ForTwo ED, apresenta-se com um motor eléctrico de 60 kW de potência, o equivalente a 82 cavalos, instalado no eixo traseiro, que surpreende pela agilidade e velocidade de reação que proporciona, embora com velocidade máxima limitada a 130 km/h. Os 160 Nm de binário na rodas traseiras explicam como este pode ser o rei dos arranques dos semáforos, embora não seja recomendável grande entusiasmo se quisermos ter em conta a autonomia da bateria.
De resto, face a outras propostas disponíveis no mercado e já dotadas de maior autonomia, este parece o maior ‘handicap’ do Smart Electric Drive: a pouca capacidade da bateria. São apenas 17,6 kWh, suficientes para garantir uma autonomia de 160 quilómetros (norma NEDC), valor que haveria de se revelar mais baixo no ensaio realizado pelo JR, o que causou algum embaraço na hora de regressar a casa. 
Os carregamentos em postos públicos podem ser feitos em 2,5 horas, mas na rede doméstica são necessárias oito horas para alcançar a carga total. Para 2018 estará disponível um carregador rápido opcional de 22 kW, que permitirá carregar totalmente a bateria em 45 minutos, usando ligação trifásica.
Sem preocupações com autonomia, a condução do Smart ED é bastante divertida, confortável e silenciosa. Os interiores e o nível de equipamento são semelhantes às versões convencionais, apenas com diferenças na conjugação de cores e no desenho das jantes.
Os novos Smart ED podem ser adquiridos a partir dos 22.500 euros para a versão ForTwo Coupé.
 
Paulo Parracho