Distrito de Setúbal tem 48.000 estrangeiros registados

Distrito de Setúbal tem 48.000 estrangeiros registados

O secretário de Estado da Administração Interna, Filipe Lobo D'Ávila, revelou hoje que há cerca de 48.000 estrangeiros registados no distrito de Setúbal, o segundo ponto do país que emite mais vistos de entrada em Portugal.
"O distrito de Setúbal é o segundo ponto do país que emite mais vistos, logo a seguir ao aeroporto de Lisboa", disse Filipe D'Ávila, na inauguração das novas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) na Rua Augusto Cardoso, em Setúbal.
O secretário de Estado da Administração Interna falava aos jornalistas após a cerimónia de inauguração das novas instalações do SEF, que vão acolher a componente operacional, designadamente toda a atividade relacionada com ações de fiscalização e investigação.
"Vamos passar a componente operacional para estas instalações, que já eram do SEF e que foram sujeitas a pequenas obras de remodelação", disse, acrescentando que o atendimento continuará a ser feito nas antigas instalações, na Avenida Luísa Todi.
O governante assegurou que existe uma grande preocupação em dotar o SEF dos meios necessários para as ações de fiscalização e investigação e lembrou que muitas vezes é possível fazer melhorias sem gastar muito dinheiro, como se verificou em Setúbal.
 Como referiu o subdiretor regional de Lisboa do SEF, José Caçador, que fez uma breve apresentação do trabalho desenvolvido em Setúbal, além de lidarem com um elevado número de estrangeiros no distrito, os inspetores do SEF asseguram anualmente a fiscalização de cerca de cerca de 4.000 navios - 1.500 navios no porto de Setúbal e 2.500 no porto de Sines.
Segundo José Caçador, muitos estrangeiros vêm para Portugal convictos de que se trata de um país onde conseguem a legalização com maior facilidade, situação que, segundo garantiu o responsável do SEF, "não corresponde à realidade".
José Caçador admitiu ainda que o SEF se depara muitas vezes com a prática de crimes de falsificação de documentos de alguns estrangeiros que procuram regularizar a sua situação no país de forma ilícita.
De acordo com o SEF, grande parte dos cerca de 48.000 estrangeiros registados no distrito são de origem angolana, caboverdiana e brasileira.