Demitiu-se a diretora da Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais

Demitiu-se a diretora da Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais

A diretora da Casa das Histórias Paula Rego, Helena de Freitas, revelou hoje à agência Lusa que pediu a demissão do cargo, "por falta de condições" para prosseguir o projeto assumido em 2010.
Na passada segunda-feira, o presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, divulgou, na reunião do executivo, o acordo da autarquia com a família da pintora Paula Rego, para a extinção da Fundação com o nome da artista.
Por acordo entre as partes, a Câmara Municipal de Cascais, com a extinção da Fundação Paula Rego, passa a assumir a gestão da Casa das Histórias.
Contactada pela Lusa, Helena de Freitas disse ter apresentado a demissão do cargo, porque não tem condições para continuar o projeto original para o qual foi convidada pela pintora, no início de 2010.
"Não tenho condições para prosseguir o projeto. A equipa não é a mesma, foi muito reduzida, e o acervo será diferente. Daqui para a frente será um outro projeto, e não faz sentido eu continuar", declarou a curadora, de 52 anos, que irá regressar à Fundação Calouste Gulbenkian.
 Licenciada em História, com um mestrado em História da Arte, Helena de Freitas trabalhou como curadora no Centro Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian, desde o final dos anos 80, até ser convidada por Paula Rego para substituir Dalila Rodrigues no cargo.
Dalila Rodrigues, ex-diretora do Museu Nacional de Arte Antiga e atual membro do Conselho de Administração da Fundação Centro Cultural de Belém, foi a primeira diretora da Casa das Histórias Paula Rego, inaugurada a 18 de setembro de 2009.
Helena de Freitas indicou ainda à Lusa que manifestou há algum tempo à autarquia o desejo de sair do cargo, devido à mudança da situação do museu.
A Casa das Histórias irá manter o nome da pintora e uma exposição permanente, mas algumas obras que se encontravam em acordo de comodato (empréstimo) precário serão devolvidas.
"Foi um privilégio ter trabalhado estes três anos com Paula Rego. Estou-lhe muito grata. Foi um trabalho muito positivo, bastante difícil, mas muito bom", sublinhou.
A extinção da Fundação Paula Rego/Casa das Histórias, hoje aprovada em Conselho de Ministros, insere-se numa lista de entidades que o Governo decidiu suprimir.
Em 2010, para assumir a direção na Casa das Histórias, Helena de Freitas suspendeu o contrato com a Fundação Calouste Gulbenkian, mas continuou a ser funcionária da instituição, à qual tem uma forte ligação.
Instalado num edifício de raiz desenhado pelo arquiteto Souto de Moura, a Casa das Histórias representou um investimento, por parte da Câmara Municipal de Cascais, de cerca de cinco milhões de euros, ao abrigo de um programa de apoio financeiro do Turismo de Portugal.
A Casa das Histórias abriu com um acervo próximo das quatro centenas de obras de pintura, desenho e outras peças da pintora de 77 anos, radicada em Londres, e uma das mais conceituadas artistas portuguesas a nível internacional.
O edifício, em cor de tijolo, destaca-se na vila de Cascais pelas duas pirâmides de vértice cortado, está rodeado por um jardim, com uma esplanada servida por uma cafetaria.
Possui ainda um auditório, com cerca de duzentos lugares, uma biblioteca e uma livraria, onde também estão à venda objetos com a iconografia da obra da artista.