Deco deteta medicamentos proibidos na carne de cavalo encontrada em alimentos

Deco deteta medicamentos proibidos na carne de cavalo encontrada em alimentos
A Deco detetou vestígios de medicamentos anti-inflamatórios na carne de cavalo encontrada em produtos alimentares à venda em Portugal, o que indicia um risco para a saúde publica, divulgou em comunicado.
A Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (Deco) precisa que o "anti-inflamatório fenilbutazona foi detetado nas amostras de hambúrguer Auchan e nas almôndegas Polegar, que, numa primeira análise, tinham acusado presença de ADN de cavalo". 
A presença destes medicamentos na carne para consumo humano é ilegal, refere a Deco.
Segundo a informação recolhida, os lotes destes produtos não se encontram, na presente data, à venda. Os resultados da análise laboratorial efetuada pela Deco vão ser divulgados ao sistema de alerta rápido da União Europeia. 
Embora a concentração de anti-inflamatórios encontrada nas amostras seja de ordem do micrograma, e "não represente um perigo imediato", para a saúde humana, indicia, segundo os técnicos da associação, uma situação de "risco potencial". 
A Deco admite que a polémica relacionada com a carne de cavalo parece assim "não se resumir apenas um problema de rotulagem, mas também indicia um problema de segurança alimentar".
"Estes dados novos evidenciam a necessidade de as autoridades portuguesas procederem a testes mais frequentes para a avaliação da segurança alimentar dos produtos controlados", refere o comunicado.