Concessionários e nadadores-salvadores defendem novo modelo de vigilância nas praias

Concessionários e nadadores-salvadores defendem novo modelo de vigilância nas praias
Os presidentes das federações nacionais de concessionários de praia, João Correia, e de nadadores-salvadores, Alexandre Tadeia, defenderam hoje um modelo de vigilância das praias durante todo o ano e não só durante a época balnear.
 
Na véspera de se iniciar a época em mais de um terço das zonas balneares portuguesas, os dois responsáveis lamentaram os recentes desaparecimentos e mortes por afogamento em zonas não vigiadas, por não ter arrancado ainda a época balnear.
 
João Correia disse à agência Lusa que a solução não passa por antecipar e alargar a época balnear, mas por adotar um novo modelo que permita equipas de vigilância e salvamento sempre disponíveis quando as previsões meteorológicas indicarem maior afluência às praias.
 
"Se estiver bom tempo em fevereiro as pessoas vão à praia. Se estiver muito calor em março, como este ano, as praias estão cheias. Portanto, tem de haver uma equipa de salvamento preparada o ano inteiro para atuar sempre que for necessário", defendeu.
 
O presidente da Federação Portuguesa de Concessionários de Praia apelou às câmaras municipais do país para seguirem o modelo da autarquia de Matosinhos (distrito do Porto).
 
"A Câmara de Matosinhos tem uma equipa de nadadores-salvadores disponível para fazer vigilância nas praias durante todo o ano, sempre que haja indicação de muito calor e grande afluência às praias. Esta câmara deveria ser um exemplo", explicou João Correia.
 
O responsável indicou, contudo, que "está tudo pronto" para mais uma época balnear em segurança, embora ainda haja "muitos nadadores-salvadores que são estudantes e estão ainda em exames nacionais e, por isso, só chegam mais tarde".
 
Também o responsável da Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (Fepons), Alexandre Tadeia, defende que o modelo de vigilância nas praias deve ser revisto.
 
"Defendemos isso há mais de dez anos. Oitenta e cinco por cento dos afogamentos poderiam ser evitados se houvesse meios disponíveis durante o inverno, não só durante a época balnear", afirmou.
 
O presidente da Fepons lamentou os recentes acontecimentos na praia de Espinho, onde desapareceram dois jovens, e no rio Vouga, em Águeda, onde morreram duas crianças.
 
No seu entender, estes registos mostram que o atual modelo não garante a segurança necessária.
 
Das 650 áreas balneares portuguesas, 175 começaram a época a 01 de junho e 246 iniciam a temporada na quinta-feira (dia 15).
 
Segundo a legislação, a época balnear pode decorrer entre 01 de maio e 15 de outubro para efeitos da "exploração e funcionamento de concessões de apoio balnear e seus serviços acessórios”. Abrange todas as praias de banhos, sejam marítimas ou fluviais, que são vigiadas por nadadores-salvadores.
 
Compete às câmaras municipais definir a época balnear em cada praia do seu concelho, motivo pelo qual o calendário é cada vez mais variável de praia para praia, até dentro do mesmo município.
 
A época balnear começou durante o mês de maio para 43 praias, sobretudo em Cascais, Oeiras (ambos no distrito de Lisboa) e Albufeira (distrito de Faro).
 
Em quase metade das praias fluviais do país, a época balnear é mais curta, decorrendo de 01 de julho a 31 de agosto.