Concessionários de praias querem apoios do governo para enfrentar prejuízos

Concessionários de praias querem apoios do governo para enfrentar prejuízos

O presidente da Federação Portuguesa dos Concessionários de Praia, João Carreira, anunciou hoje que vai pedir a ajuda do Governo para "minimizar os prejuízos" provocados pelo mau tempo nos apoios de praia das zonas ribeirinhas de todo o País.

"Os prejuízos provocados pela forte ondulação dos últimos dias provocou milhões de euros de prejuízos nos apoios de praia um pouco por todo o País, pelo que decidimos pedir uma reunião, com carácter de urgência, ao ministro do Ambiente e ao Secretário de Estado do Turismo", disse João Carreira.

O acesso a linhas de crédito "para ajudar repor todos os equipamentos [que foram destruídos pelo mar], porque, caso contrário, haverá muitos empresários que não terão capacidade financeira para reabrir os estabelecimentos, pondo em risco a assistência às praias em muitas zonas do País", é uma das reivindicações que vão ser apresentadas ao Governo.

Segundo João Carreira, há concessionários que estão descapitalizados porque fizeram, recentemente, grandes investimentos nas adaptações ao Plano de Ordenamento da Orla Costeira.

"Agora, que estão descapitalizados, perderam tudo devido ao mau tempo", acrescentou, reafirmando a necessidade de apoio financeiro por parte do Governo.

João Carreira reconheceu que ainda não existe uma estimativa dos prejuízos provocados pelo mau tempo nas zonas ribeirinhas, mas referiu, a título de exemplo, que um único restaurante de Esposende já contabiliza "mais de um milhão de euros de prejuízos".

O mau tempo e a forte ondulação dos últimos dias afectou zonas ribeirinhas de norte a sul do País, tendo provocado danos significativos em muitos apoios de praia, incluindo estabelecimentos de restauração.

O Norte do País foi uma das zonas mais afectadas pelo mau tempo e pela forte ondulação, na ordem dos 7/9 metros, mas também houve prejuízos significativos em diversos apoios de praia na região centro, na região de Lisboa, na margem sul do Tejo e no Algarve.