Colóquio em Sintra assinala 500 anos do foral manuelino

Colóquio em Sintra assinala 500 anos do foral manuelino

O Arquivo Histórico de Sintra (AHS) assinala, na quarta-feira, a passagem do quinto centenário sobre a atribuição do foral à vila pelo rei D. Manuel I com um colóquio no MU.SA – Museu das Artes de Sintra.

O colóquio “500 anos do foral manuelino de Sintra” reúne um conjunto de conferências sobre o documento régio do século XVI, que actualizou o primeiro foral outorgado em 09 de janeiro de 1154 por D. Afonso Henriques “aos 30 povoadores” do núcleo fortificado nos arredores de Lisboa.

Enquanto o foral afonsino se encontra associado à fundação do concelho de Sintra, há 860 anos, o documento de 29 de outubro de 1514 reformulou as normas jurídicas, administrativas e sociais da vila, com a nova caligrafia manuelina que substituiu o latim dos forais medievais, numa letra de difícil interpretação pelos oficiais das câmaras.

O colóquio arranca com as conferências dos historiadores Pedro Barbosa, “O foral afonsino de Sintra”, e Carlos Margaça Veiga, sobre “Os forais no contexto da política de D. Manuel I”.

Antes do almoço, e também com moderação de Eugénio Montoito, técnico do AHS, ainda estão programadas as intervenções de Carlos Guardado da Silva (“Os forais manuelinos de Sintra e Colares”) e de Daniel Alves, com “Sintra na época das reformas liberais: evolução concelhia e populacional (1820- 1855)”.

Na parte da tarde, os trabalhos abrem com Susana Tavares Pedro, “Observações sobre a escrita dos livros de registo dos Forais Novos”, seguindo-se José Manuel Vargas (“Os forais manuelinos: aspetos codicológicos e diplomáticos”).

As duas últimas conferências, moderadas por Júlio Cardoso, do AHS, ficarão a cargo de Sónia Domingos, “A recuperação do Foral Manuelino de Sintra: Um desafio para a conservação”, e de Marta Manso (“O foral de Sintra à luz da ciência e tecnologia”).

O foral manuelino de Sintra é composto por 22 fólios numerados e o manuscrito ostenta 55 capitulares ornamentadas, informa uma nota da autarquia.

O documento encontra-se preservado no arquivo histórico, juntamente com o foral manuelino de Colares, atribuído dois anos mais tarde, até à integração deste concelho e do município de Belas no território de Sintra, em 1855, na reforma administrativa de Mouzinho da Silveira.

O colóquio decorre no MU.SA, no edifício do antigo casino, no bairro da Estefânea, com participação gratuita mas sujeito a inscrição através do email dcul.arquivo@cm-sintra.pt