Centro de Saúde inaugurado dia 07 de junho em Carnaxide, Oeiras

Centro de Saúde inaugurado dia 07 de junho em Carnaxide, Oeiras
O Centro de Saúde de Carnaxide, em Oeiras, vai ser inaugurado a 07 de junho, dia em que se comemora o 257.º aniversário do Município, e está preparado para servir 30 mil utentes, informou hoje a autarquia.
 
Há muito ambicionado pela população, o Centro de Saúde de Carnaxide, a funcionar num prédio de habitação, era visto pela Câmara de Oeiras como um "caso preocupante".
 
O novo edifício, localizado no antigo Quintal Desportivo de Carnaxide, em terreno cedido pela autarquia, começou a ser construído há um ano e estava prevista a sua conclusão em fevereiro, mas só agora será inaugurado.
 
O Centro de Saúde de Carnaxide vai permitir responder às necessidades de cerca de 30 mil utentes e terá as valências de medicina familiar (duas unidades), com cerca de 44 gabinetes de consulta (onde se incluem duas salas de saúde pública, quatro salas de tratamento, dez gabinetes de enfermagem e um gabinete de saúde oral).
 
O projeto resultou de uma parceria com a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e o investimento atinge o valor de cerca de 2,2 milhões de euros.
 
A inauguração do equipamento está marcada para as 14:00 e contará com a presença do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, e do presidente da Câmara de Oeiras, Paulo Vistas.
 
O programa comemorativo do Dia do Município de Oeiras inclui ainda, às 16:00, a inauguração do Fogão de Sala da Casa Fourdinois, "uma obra emblemática do Segundo Império", no Palácio do Marquês de Pombal.
 
"O Fogão de Sala pertenceu ao segundo proprietário desta casa, Artur Brandão, que o adquiriu num leilão do Palácio Foz, localizado nos Restauradores, em Lisboa, e o trouxe para o Palácio de Oeiras, depois de o ter adquirido em 1939, à família Pombal", conta a autarquia.
 
Trata-se duma peça de mobiliário francês, da afamada "Maison Fourdinois" (1835-1887), localizada em Paris, com gestão de Henri Auguste Fourdinois, a partir de 1860.
 
De inspiração clássica, em estilo Segundo Império, o móvel, que mede e 6,15 metros de altura, revela um "grande equilíbrio na sua estrutura, onde se evidenciam as decorações esculpidas de grande qualidade artística e riqueza na diversidade dos materiais utilizados: madeira, pedra e metais".
 
A peça ficará em exposição na sala de entrada do Palácio Marquês de Pombal, após longo trabalho de restauro, levado a cabo pelo departamento de Conservação e Restauro da Fundação Ricardo Espirito Santo Silva, em Lisboa.