Cem empresas participam em dia de trabalho fora do escritório

Cem empresas participam em dia de trabalho fora do escritório
As sedes de cerca de cem empresas nacionais vão ficar vazias esta quinta-feira, com os funcionários a trabalharem a partir de casa, na primeira edição da iniciativa do “Dia Fora do Escritório”, que pretende promover a flexibilidade do trabalho.
O “Out of Office Day” é uma iniciativa promovida pela Microsoft em Portugal, após ter constatado, através de estudos da Associação Empresarial de Portugal e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) que, apesar de os portugueses trabalharem cerca de nove horas diárias, tal não se reflete na produtividade no trabalho.
“Portugal tem um caminho a fazer na melhoria da produtividade”, disse à Lusa Marcos Santos, do departamento de produtividade da Microsoft.
A empresa realizou um estudo junto de várias empresas, que revelou que 82% dos trabalhadores gostariam de poder usufruir de práticas de flexibilidade, como a possibilidade de trabalhar a partir de casa – ou de qualquer outro local que não o escritório ou a sede da empresa – ou facilidade em sair no horário de trabalho para ir a uma consulta ou ir buscar o filho à escola e retomar o trabalho mais tarde.
O mesmo estudo demonstrou que 68% dos trabalhadores em Portugal dizem que são mais produtivos quando trabalham de forma flexível, ou seja, que possam gerir a sua vida e o seu horário, fora do escritório, acrescentou Marcos Santos.
Por outro lado, apenas 14% das empresas possui uma política pró-ativa de flexibilizar o local de trabalho, um número que incentivou os promotores a lançar a iniciativa.
Marcos Santos assegurou que Portugal tem condições para criar um dia deste género, tendo em conta a penetração da banda larga móvel e nos domicílios.
A flexibilidade no trabalho está associada, segundo um estudo de uma universidade espanhola, ao aumento da natalidade. A medida permite ainda poupanças, na ordem dos 20%, para as empresas, além de ser amiga do ambiente, ao reduzir as emissões do dióxido de carbono.
A organização estima que a iniciativa desta quinta-feira permita uma poupança de emissão de 8,7 toneladas de dióxido de carbono. Por outro lado, o nível estimado de felicidade para os participantes é de 78%, segundo um questionário preenchido pelos trabalhadores que vão aderir a esta iniciativa.
O “Out of Office Day” contou com o apoio do Governo que, através do secretário de Estado do Emprego, Pedro Roque, anunciou a intenção de consagrar o dia 07 de março como Dia Nacional da Flexibilidade do Trabalho.
Das empresas participantes, várias são públicas, como é o caso da Câmara Municipal de Lisboa – com cerca de 10 mil trabalhadores -, a ANA, a TAP, a REFER, a CP, os CTT ou as administrações dos portos de Aveiro/Figueira da Foz, Douro e Leixões e Lisboa. Transtejo, STCP, Metro do Porto, Fundação Champalimaud, Conselho Económico e Social, Fundação “O Século” são algumas das entidades que também aderiram.
A organização pretende repetir a iniciativa em 2014, mas ao longo do ano promete ir fazendo balanços sobre a penetração de boas práticas de flexibilidade nas empresas nacionais.