CDU apresenta Pedro Ventura e António Filipe como candidatos a Sintra

CDU apresenta Pedro Ventura e António Filipe como candidatos a Sintra

O candidato da CDU à presidência da Câmara de Sintra disse hoje que o crescimento económico, o desenvolvimento local e a dinamização do turismo e do património histórico são as linhas de orientação da sua candidatura.

"Propomos uma candidatura que valoriza a criação e a manutenção de emprego, o crescimento económico, o desenvolvimento local e que apoia o tecido empresarial existente. Uma candidatura que dinamize o turismo, o património histórico e a cultura", disse Pedro Ventura, durante a apresentação da sua candidatura pela CDU.
Pedro Ventura vai concorrer contra Basílio Horta (PS), Pedro Pinto (Coligação Mais Sintra - PSD e CDS-PP), Marco Almeida (vice-presidente da câmara que avança como independente, em litígio com o PSD) e Nuno da Câmara Pereira (independente), que hoje esteve presente na apresentação dos candidatos da CDU.
No final da iniciativa que decorreu no auditório dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Sintra, Pedro Ventura disse à agência Lusa que pretende "aligeirar" o processo de licenciamento das empresas e criar "clusters" industriais, de forma a juntar empresas num só espaço territorial, potenciando assim a criação de emprego e o desenvolvimento económico.
"No concelho de Sintra estão registadas oito mil empresas e cerca de metade são micro e pequenas empresas. É preciso garantir que elas não saem de cá, o que é fundamental para manter os postos de trabalho", disse.
O candidato da CDU adiantou que caso vença as autárquicas deste ano irá criar um "amplo movimento" para que a Base Aérea n.º1 deixe de ser apenas para uso militar e passe a ser "um factor importante para a indústria" local e para o transporte de passageiros das companhias de voos de baixo custo.
O actual vereador da câmara de Sintra com o pelouro das Actividades Económicas adiantou que pretende que "Sintra volte a ser um concelho com valor próprio e não apenas um vizinho de Lisboa" e assume o compromisso de "inverter a espiral descendente em que o concelho foi colocado" nos últimos anos, ao nível da "perda acentuada de relevância económica, social e cultural".
A CDU apresentou também o candidato à presidência da Assembleia Municipal, o deputado António Filipe, membro do comité central do PCP desde 1992.
António Filipe disse que o aumento de população que decorreu em Sintra nos últimos anos não foi acompanhado com a melhoria da qualidade de vida, criticando a alternância entre PS e PSD/CDS-PP que têm governado a câmara nos últimos vinte anos.
No seu discurso, o parlamentar não esqueceu críticas às “candidaturas partidárias, com candidatos em comissão de serviço” e às “candidaturas ditas independentes, que sob o manto diáfano de uma suposta independência fabricada à pressa, reflectem desavenças partidárias, escamoteiam responsabilidades e servem ambições pessoais”. “E nem falta uma candidatura que, sob o símbolo e a sigla do PS, é liderada por um dirigente histórico do CDS”, concluiu, referindo-se a Basílio Horta.