Cascais junta mais de 300 empresários mundiais de topo na Horasis China Meeting

Cascais junta mais de 300 empresários mundiais de topo na Horasis China Meeting
Cascais acolhe esta semana a 11.ª edição da Horasis China Meeting que vai atrair mais de 300 líderes empresariais chineses e homólogos globais para discutir oportunidades de investimento, nomeadamente em Portugal, e o papel de liderança da China.
 
A Horasis China Meeting apresenta-se como o mais importante encontro anual de líderes empresariais chineses e homólogos globais e decorrerá na quinta e sexta-feira no Estoril Sol, em Cascais.
 
A iniciativa é organizada pela Horasis: The Global Visions Community, entidade internacional independente, juntamente com o Governo português e a Câmara Municipal de Cascais, em estreita colaboração com a República Popular da China e com o apoio da Federação Chinesa de Economia e Indústria.
 
“Um tema, China. Um lugar, Cascais. Trezentos empresários. Quando a elite empresarial chinesa se reúne num só lugar isto significa que Portugal vai ter a oportunidade de assistir a um debate único sobre a China, e que Cascais vai ser uma porta para a entrada de investimentos em Portugal e na Europa", disse o presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, à Lusa.
 
Depois de Lisboa ter acolhido este evento em 2009, agora é a vez de Cascais receber a iniciativa, onde estarão representados cerca de 35 países, com presidentes executivos de multinacionais de todo o mundo, nomeadamente da Ásia, dos Estados Unidos e da União Europeia, que no seu conjunto representam uma capitalização superior ao Produto Interno Bruto (PIB) português.
 
"Portugal é um grande 'hotspot' [polo de atração] para investimento aqui na Europa, talvez também ligado ao passado histórico entre Portugal e a China, nomeadamente no que diz respeito a Macau, e às relações de amizade entre os dois países", disse à Lusa o presidente da Horasis, Frank-Jürgen Richter, apontando as questões e as oportunidades de investimento como "o principal tópico" da iniciativa, mas não o único.
 
Frank-Jürgen Richter afirmou que o evento "ocorre em Cascais num momento em que a China está a liderar investimentos em Portugal", no setor da energia, dando como exemplo a EDP, no setor financeiro "em alguns bancos" e no imobiliário, temas que serão também discutidos.
 
"Esperamos com a reunião colocar Portugal no quadro de referência dos investidores chineses e criar uma mentalidade 'win-win' [com vantagens para ambas as partes] muito positiva para a China e a Europa. Esperamos um resultado muito positivo", reforçou.
 
O responsável falou também do papel que Portugal poderá ter como "plataforma para investimento", especialmente para países de língua portuguesa, como Angola, Moçambique e Brasil e outros, já que "o investimento chinês também vai para África e a América Latina".
 
A situação económica global, da China, de Portugal e do mundo, estará também em enfoque.
 
Questionado sobre se a desaceleração da economia chinesa poderá ter impactos negativos nos investimentos na Europa e logo em Portugal, Frank-Jürgen Richter disse que "antes pelo contrário", já que "os investidores chineses estão mais cautelosos".
 
"Isto significa que cada vez mais os chineses estão a investir fora do país, porque aqui estão as oportunidades", disse, focando os setores do consumo privado, o financeiro, o do imobiliário e o das tecnologias de informação.
 
No que diz respeito ao falhanço das negociações com dois grupos chineses para a compra do Novo Banco, o responsável desvalorizou a situação e afirmou: "Estas não resultaram, mas isto não quer dizer que os chineses não se voltem a sentir atraídos [por bancos portugueses], talvez até por outros bancos, a China está a aumentar o seu interesse e o seu apetite na ligação a empresas portuguesas".
 
A Horasis China Meeting visa identificar negócios globalmente relevantes e definir trajetórias de crescimento económico, a partilha de visões sobre o estado atual e futuro da economia chinesa e cumpre este ano a sua 11.ª edição, rodando todos os anos a sua localização, sempre na Europa.
 
Entre os participantes estão Guan Jainzhong, presidente da Dagong Global Credit Rating (agência de 'rating'), Michael Taylor, diretor para a Ásia-Pacífico da Moody's Investors Service, Felix Zhang, fundador e diretor executivo da Envision Energy, (empresa de desenvolvimento de tecnologia inteligente no setor das renováveis) e Alan Hassenfeld, presidente da Hasbro (fabricante de brinquedos).
 
Vários elementos do Governo, entre eles o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e líderes empresariais portugueses, como António Mexia, presidente da EDP (cujo principal acionista é a chinesa China Three Gorges), também estarão presentes, segundo o programa do evento.