Cascais é capital europeia da juventude

Cascais é capital europeia da juventude
“Os jovens de hoje querem respostas para hoje, não querem para daqui a dez anos, quando já vão ser adultos e já estão noutro patamar de vida e com outras preocupações”, salientou à agência Lusa Catarina Marques Vieira.
A comissária da Capital Europeia da Juventude - Cascais 2018 defende que a iniciativa deve servir para se deixar de pensar no que se vai fazer para daqui a dez anos para os jovens, porque estes querem saber o que se lhes tem para “dizer agora e como se pode resolver os problemas de agora”.
A escolha em Novembro de 2015 de Cascais para ser Capital Europeia da Juventude representou “uma consagração” da actividade municipal em relação a políticas destinadas aos jovens, para o município, mas também resultado da colaboração com outros países. “Quando fizemos a candidatura frisámos também esse aspecto de sermos uma boa porta de entrada, e de saída, de conhecimento para os países de língua portuguesa, porque também estão a crescer muito na aprendizagem em medidas para os jovens”, explicou Catarina Marques Vieira. A comissária apontou, como exemplo, a criação de um fórum para a juventude na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).
“A programação abrange 13 áreas específicas, mas vamos querer implementar aqui uma discussão relacionada com o Plano Mundial da Juventude, que está associado às Nações Unidas”, frisou a ex-vereadora da Juventude da Câmara de Cascais.
O documento, adoptado por Portugal há 20 anos, “está obsoleto e precisa de ser revisto”, mas a comissária defendeu ainda a necessidade de também se pensar a nível europeu e nacional, para “rever algumas medidas de políticas de juventude que precisam de ser alteradas”. “Estes diplomas devem ser revistos a nível nacional, europeu e mundial”, advogou Catarina Marques Vieira, notando que os documentos devem prever a adopção de “respostas mais céleres” para as necessidades dos jovens.
A Capital Europeia da Juventude, criada em 2009 pelo Fórum Europeu da Juventude, plataforma de organizações juvenis de toda a Europa, visa promover “a participação activa dos jovens na sociedade” e “a cidadania europeia” a par de outras zonas do mundo.
Sob o tema ‘Glocal Youth’, a iniciativa reparte-se em Cascais por um vasto programa relacionado com as áreas do desporto, voluntariado, empregabilidade, artes, conhecimento, diálogo, ambiente, participação, mobilidade, estudantes, eventos, experiências e espaços.
O ‘HeForShe Arts Day’ realiza-se a 11 de Março, na Casa das Histórias Paula Rego, em Cascais, associado ao movimento lançado com a participação da actriz Emma Watson, que visa promover a igualdade de género, uma das principais metas da Agenda de 2030 para o Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas.
O festival ‘GiveMe4’ está programado para 15 de Setembro, no Parque Marechal Carmona, e cada entrada custará “quatro horas de trabalho voluntário”.
“O voluntariado jovem é uma das grandes bandeiras da Capital Europeia da Juventude”, notou Catarina Marques Vieira, acrescentando que o município conta,  todos os anos, durante o Verão, com o desenvolvimento de seis programas de voluntariado jovem, com cerca de 1.900 voluntários.
A autarquia prepara para meados de Dezembro, por ocasião do encerramento da iniciativa, o lançamento de “um manual” com a compilação de todas as medidas discutidas ao longo do corrente ano.
Na abertura oficial da Capital Europeia da Juventude - Cascais 2018, que teve lugar no Centro de Congressos do Estoril, estiveram presentes, entre outras personalidades, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o secretário de Estado da Juventude, João Paulo Rebelo.
                                        
 Lusa