Cascais com orçamento de 70 mil euros para prolongar época balnear no concelho

Cascais com orçamento de 70 mil euros para prolongar época balnear no concelho
O presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, disse que a autarquia tem um orçamento de 70 mil euros para garantir a segurança durante a época balnear, que arranca hoje e poderá estender-se até outubro.
 
Na abertura oficial da época balnear em Cascais, Carlos Carreiras adiantou que a autarquia dispõe de 70 mil euros para mais nadadores salvadores e vigilância em praias não concessionadas do concelho durante a época balnear, que poderá prolongar-se por mais um mês e meio do que está legalmente previsto.
 
"Nós suportamos em todos os concessionários, porque não têm obrigação legal de o fazer, mais um mês e meio, o que alargamos da época oficial. Suportamos toda a componente de nadadores salvadores e também nos locais onde não há nadadores salvadores", sustentou.
 
Para o porta-voz do Instituto de Socorros a Náufragos, Nuno Leitão, presente na cerimónia, a disponibilidade financeira da Câmara de Cascais é "uma posição estratégia que merece apoio para que seja uma referência nacional na segurança balnear".
 
De acordo com o comandante, Cascais é "o primeiro município do país que suporta de uma forma massiva o pagamento dos nadadores-salvadores".
 
O autarca explicou que o orçamento previsto é para o caso de Cascais manter aberta a época balnear depois de 30 de setembro, a data legalmente prevista para o seu encerramento.
 
"O orçamento previsto é de cerca de 70 mil euros, já prevendo que esteja assegurado para lá do 30 de setembro. Asseguramos que temos condições para que, sempre que esteja bom tempo, nós temos nadadores salvadores", disse.
 
Caso a época balnear termine a 30 de setembro, a autarquia deverá gastar "entre os 50 a 60 mil euros".
 
"A segurança não é matéria para discutir, nem negociar. É para garantir", frisou o autarca.
 
Para o porta-voz do Instituto de Socorros a Náufragos, Nuno Leitão, a disponibilidade financeira da Câmara de Cascais é "uma posição estratégia que merece apoio para que seja uma referência nacional na segurança balnear".
 
De acordo com o comandante, Cascais é "o primeiro município do país que suporta de uma forma massiva o pagamento dos nadadores-salvadores".