Casa Assombrada de Belas com mais de 4.000 visitantes em 10 meses de vida

Casa Assombrada de Belas com mais de 4.000 visitantes em 10 meses de vida
A Casa Assombrada, um palacete do século XIX localizado na Quinta Nova da Assunção, em Belas, Sintra, onde os visitantes podem enfrentar “vários medos”, teve mais de 4.000 visitantes nos seus 10 meses de funcionamento, sempre com sessões esgotadas.
 
“Ao longo destes 10 meses, a Casa Assombrada já recebeu mais de 4.000 visitantes, tornando-se num fenómeno sem precedentes, que atrai visitantes de todo o país, ilhas e inclusivamente portugueses emigrados pela Europa", disse Michel Simeão, da organização do projeto.
 
Em funcionamento desde junho de 2015, o projeto Casa Assombrada tem estado continuamente com sessões esgotadas desde que abriu portas. Funciona só às sextas-feiras e sábados, entre as 21:30 e as 00:00 e em duas horas e meia o público pode visitar o palacete com mais de 25 assoalhadas, e jardins, ouvindo histórias reais da casa.
A experiencia contra com a colaboração da Reflexo – Associação Cultural e Teatral, que em 2011 estreou, pela primeira vez no país, o conceito de visitas a uma casa assombrada, em Alcântara.
 
Depois de quatro anos de investigação e preparação elaborou um novo conceito à volta da temática do medo e surgiu o projeto da Casa Assombrada de Belas, em Sintra, no distrito de Lisboa.
 
Um limite máximo de nove pessoas entra na casa, cujas portas se abrem seis vezes por noite, de meia em meia hora, tendo cada uma delas um ‘audioguide’ que a conduz, ao longo da casa, relatando episódios insólitos relacionados com o sobrenatural.
 
De acordo com a descrição feita pela Reflexo, a experiência “não se trata de nada remotamente semelhante com a Passagem do Terror”, da antiga Feira Popular em Lisboa, ou com quaisquer outros projetos semelhantes, mas sim uma “visita a uma casa real, com histórias reais” sendo mais que isso, na medida em que é “um jogo que envolve todos os sentidos, uma experiencia de grupo e um teste de coragem”.
 
“Parte da visita será realizada com ‘audioguide’, na qual os visitantes terão de se deixar levar pela voz que os guia. Por outro lado, serão criados momentos em que a coragem será posta à prova. O objetivo final: encontrar a saída da casa”, revela a Reflexo.
 
A organização revela ainda que a experiência “não é aconselhável a pessoas mais suscetíveis”, lembrando que o local tem “uma carga e energia muito própria, capaz de ser sentida até pelos mais céticos”.