Carris regista 20 milhões de viagens não pagas por ano

Carris regista 20 milhões de viagens não pagas por ano
A Carris regista "cerca de 20 milhões de viagens por ano" em que os passageiros não pagam bilhete, num universo de mais de 140 milhões de viagens efetuadas, admitiu o administrador Realinho de Matos. "Há cerca de 20 milhões de viagens por ano de passageiros que não pagam e depois os que pagam têm de pagar mais, isto tem de ser alterado", afirmou o vice-presidente do Conselho de Administração da Carris perante os deputados municipais de Lisboa.
 
As Comissões Permanentes de Finanças e de Segurança da Assembleia Municipal de Lisboa reuniram-se hoje para a audição da administração da Carris e do vereador das Finanças da Câmara de Lisboa, uma vez que a empresa é gerida pelo município desde fevereiro.
 
Numa apresentação sobre o Plano de Atividades e Orçamento da empresa para este ano, documento que refere que no ano passado a Carris registou 141 milhões de viagens, foi também referido que este número deverá crescer para os 144 milhões este ano, chegando aos 147,5 milhões em 2019.
 
Questionado pela agência Lusa no final da reunião, Realinho de Matos explicou que a "fraude pode chegar aos 20% em determinadas situações".
 
O administrador observou também que a Carris conta com "38 fiscais", para as 72 carreiras de autocarro e seis de elétrico que a empresa oferece.
 
"É pouca gente, o ideal seria termos 70", acrescentou.
 
Assim, o responsável defendeu ser necessário um "novo sistema de combate à fraude", que "tem de ser implementado e tem de ser eficaz".
 
Falando na expansão da frota da empresa, - que deverá adquirir 260 novos veículos até 2019 - Realinho de Matos observou que 180 serão movidos a gás natural e 15 serão elétricos.
 
É objetivo da empresa que a frota seja também "100% acessível a pessoas com mobilidade reduzida".
 
A Carris estima que, "em 2040, a frota seja totalmente elétrica".
 
Segundo o responsável, também "já entraram 40 motoristas" para a empresa, os primeiros que ajudarão a compensar a perda de "600 colaboradores entre 2011 e 2016".
 
Quanto a novidades na área da tecnologia, a empresa está a testar uma ligação de internet sem fios a bordo do elétrico 15, que liga a Praça da Figueira a Belém, por forma a lançar brevemente o concurso para o alargamento da rede 'wi-fi' a todas as carreiras.
 
A Carris irá contar também com uma nova aplicação móvel, que irá permitir aos utentes consultar, "em tempo real, informação sobre o horário de cada carreira, tempos de espera, e quais as melhores ligações", explicou o administrador aos deputados.
 
A aplicação "já está em desenvolvimento e deverá estar a funcionar ainda este ano", admitiu, falando ainda na possibilidade de implementar "soluções de pagamento e validação do bilhete no telemóvel" vir a ser uma realidade.
 
Neste campo, o plano de investimentos da empresa para este ano contempla perto de três milhões de euros para as áreas de informática e marketing, num total de 12 milhões.
 
O vereador das Finanças do município, João Paulo Saraiva, advogou que estas medidas têm o objetivo de tornar o serviço "mais fiável, confortável, acessível e sustentável do ponto de vista financeiro e ambiental", assim como "aumentar de forma expressiva o número de passageiros".