Candidatura de João Ferreira (CDU) a Lisboa procura uma renovação na cidade

Candidatura de João Ferreira (CDU) a Lisboa procura uma renovação na cidade
O candidato da CDU à presidência da Câmara de Lisboa nas eleições autárquicas deste ano, João Ferreira, apresentou-se hoje como uma alternativa à cidade e ao país e uma renovação da presença comunista na capital.
"A CDU apresenta-se nestas eleições pronta a assumir todas as responsabilidades, incluindo a presidência da Câmara. Apresentamo-nos hoje, como a alternativa política imprescindível para abrir campo à política alternativa de que Lisboa e o país precisam", afirmou João Ferreira.
O PCP avança para as próximas eleições autárquicas, que devem ser marcadas para outubro, em coligação com o PEV e a Intervenção Democrática, depois de recusar, em congresso e assembleia distrital, uma coligação com o PS, para a qual o atual presidente da câmara e recandidato socialista, António Costa, tinha mostrado abertura.
"Quer pela análise que fazemos do último mandato e dos que o antecederam, quer pelo projeto que defendemos para a cidade, que conflitua nos eixos essenciais do que têm sido as políticas do PS, é inviável qualquer coligação da base da continuação do que têm sido essas políticas", explicou o candidato.
Entre as críticas de João Ferreira estão as "negociatas de terrenos", como a permuta do Parque Mayer e da Feira Popular, a reforma administrativa ou a manutenção de espaços "emblemáticos para a cidade", como o Pavilhão Carlos Lopes, encerrados. 
Do lado das medidas, o PCP promete criar emprego, reverter a degradação do transporte público, e desenvolver políticas ambientais sustentáveis, desportivas, sociais e habitacionais que fixem a população em Lisboa.
João Ferreira disse que a candidatura da CDU é "um projeto aberto e em construção" e que o programa eleitoral "não será construído [com a equipa] fechada em quatro paredes".
Para já, o candidato vai continuar o seu mandato como deputado no Parlamento Europeu.
 "As exigências de uma função de presidente da Câmara de Lisboa são evidentemente incompatíveis com a manutenção desse mandato. Como estamos convictos de que é possível a CDU conseguir alcançar a presidência da Câmara de Lisboa, no dia seguinte estarei aqui, abdicando naturalmente desse mandato", afirmou.
Caso não vença as eleições, o candidato comunista assegurou que a CDU assumirá, "coletiva e individualmente", as responsabilidades que a população de Lisboa lhe atribuir.
Perante a possibilidade de deixar Bruxelas para regressar a Lisboa, ao contrário do que muitos jovens portugueses hoje fazem, João Ferreira, de 34 anos, afirmou querer contrariar essa tendência, com "todos os instrumentos municipais" possíveis.
A CDU apresentou hoje também o mandatário da candidatura, que será o atual vereador comunista da Câmara de Lisboa, Rúben de Carvalho.
O autarca, que nas duas últimas corridas à câmara da capital foi cabeça-de-lista pela CDU, disse que esta candidatura é de "continuidade do trabalho que se tem vindo a realizar" e que materializa "um desejo de o PCP renovar a sua presença em todas as áreas da sociedade portuguesa".
A CDU vai apresentar os candidatos à presidência da Assembleia Municipal e das novas 23 freguesias, bem como a composição das listas, entre março e abril.
A apresentação pública da candidatura está marcada para 07 de março, no Liceu Camões e a presença do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, está prevista.