Candidato da CDU a Sintra critica modelo dos mega-agrupamentos escolares

Candidato da CDU a Sintra critica modelo dos mega-agrupamentos escolares

O candidato da CDU à presidência da Câmara de Sintra, Pedro Ventura, considerou hoje que a constituição de mega-agrupamentos escolares no município foi "um erro" que tem um impacto negativo na qualidade do ensino.
Pedro Ventura contestou a criação, há um ano, de sete mega-agrupamentos - no âmbito da reorganização da rede educativa nacional – já que alguns destes equipamentos ficaram com mais de quatro mil alunos.
"O aumento excessivo de alunos ou a concentração de muitos alunos em escolas não contribui para a melhoria da qualidade do ensino, aliás, como é espelhado nas notas que saíram dos exames nacionais, e daí eu estar muito preocupado com esta situação", afirmou o candidato à agência Lusa.
O também vereador da Câmara de Sintra com o pelouro das Atividades Económicas falava com a agência Lusa no final de uma reunião com pessoal não docente do Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva, em Casal de Cambra.
Pedro Ventura adiantou que o pessoal não docente deste agrupamento escolar "está preocupado" com a possibilidade de serem inseridos no programa especial de mobilidade, uma vez que a escola afixou há uma semana uma portaria do Ministério da Educação com vista ao anúncio da abertura de um período para rescisões por mútuo acordo com esses trabalhadores.
"Esta informação está a gerar grande apreensão e muito medo no pessoal não docente. Na altura em que os mega-agrupamentos foram aprovados, uma das críticas que fiz foi que este modelo poderia levar a situações de desemprego e isto é fazer com que os mega-agrupamentos fiquem com redução de pessoal não docente e isso significa uma redução de qualidade de ensino", disse.
O candidato da CDU adiantou que o balanço da criação de mega-agrupamentos em Sintra "não é positivo", uma vez que se concentraram demasiados alunos e porque a câmara herdou um parque escolar a necessitar de obras de requalificação que ascendem "aos 40 milhões de euros".
"Perante estas dificuldades de sobrecarga de alunos, de diminuição do pessoal docente e do pessoal não docente, certamente que os critérios pedagógicos que devem conduzir a um ensino público de qualidade estão a ser postos em causa", afirmou o candidato da CDU às eleições autárquicas de 29 de setembro.
Na corrida à Câmara de Sintra, além de Pedro Ventura, são já conhecidas as candidaturas de Pedro Pinto (PSD/CDS-PP), Basílio Horta (PS), Luís Fazenda (BE), Barbosa de Oliveira (Independente), Nuno da Câmara Pereira (PND), Marco Almeida (independente) e Nuno Azevedo (PAN).
A Câmara de Sintra é presidida por Fernando Seara, eleito pela coligação Mais Sintra (PSD e CDS-PP) nas eleições autárquicas de 2009 com mais cinco vereadores. Na oposição estão quatro vereadores do PS e um da CDU.