Campos Matos amplia 'Roteiro da Lisboa de Eça de Queiroz' e seus arredores

Campos Matos amplia 'Roteiro da Lisboa de Eça de Queiroz' e seus arredores
A segunda edição do “Roteiro da Lisboa de Eça de Queiroz e seis arredores”, revista e aumentada, de autoria de A. Campos Matos, revela a geografia literária dos romances do autor d’”Os Maias”.
 
“A importância desta geografia literária resulta eminentemente de uma arte narrativa levada ao extremo apuro, o que torna muito insinuantes percursos pedonais que hoje podemos fazer na Lisboa queirosiana que esta obra elucidará”, escreve o investigador, no prólogo.
 
Surge assim, entre outras, a indicação, por parte de Campos Matos, do solar dos Maias na rua 1.º de Maio, frente à Carris, a Santo Amaro, o Casino Lisbonense, no atual largo Rafael Bordalo Pinheiro, a rua do Carvalho, no Bairro Alto - atualmente, rua Luz Soriano -, onde se localiza a residência do poeta romântico Tomás de Alencar, personagem d’”Os Maias”.
 
Campos Matos, estudioso da obra de Eça de Queiroz, acompanha algumas das descrições dos lugares com fotos, algumas de época. Podemos assim observar a fachada do café Áurea Peninsular, na rua do Ouro, atualmente nos n.ºs 183-185, que está relacionado com o médico Julião Zuzarte, do romance “O primo Basílio”, “personagem irreverente, ressabiada com tudo e todos, azedo e hostil, por se sentir falhado”, escreve Campos Matos. Há outros cafés citados, designadamente o Martinho, no atual largo D. João da Câmara, junto à Estação do Rossio, e o Montanha, na rua dos Sapateiros.
O cemitério dos Prazeres, construído em 1833, é outras das referências, cenário escolhido para Maria Eduarda, d’”Os Maias”, para visitar a campa do avô, mas também onde Vítor visita a sepultura de Genoveva, em ”A Tragédia da rua das Flores”.
 
Além desta rua, entre o Cais do Sodré e a praça Camões, são várias as artérias da capital referenciadas pelo investigador, assim como largos, à semelhança do de Barão de Quintela, arcos, referindo o demolido arco de S. Bento (reconstruído entretanto na praça de Espanha), praças, muito especialmente a do Rossio, a primeira que o escritor conheceu quando regressou dos estudos em Coimbra, onde viviam os seus pais, em particular o 4.º piso do edifício onde hoje está instalado o Café Nicola.
 
O "Roteiro da Lisboa de Eça de Queiroz e seus arredores", publicado pela Parceria A.M. Pereira, inclui ainda, entre outros, o cemitério do Alto de S. João, o Circo Price, demolido com o prolongamento da avenida da Liberdade, que foi rasgada passando por cima do antigo Passeio Público, que Eça refere em várias obras, a calçada do Combro, a então rua de s. Francisco, atual rua Ivens, o Jardim da Estrela e o jardim das Amoreiras.
 
Além da capital, A. Campos Matos refere também a geografia dos arredores, nomeadamente a “Porcalhota” (atual Amadora), Cascais, Sintra, com destaque para o paço real e o Hotel Lawrence, e Colares.
 
Cascais justifica-se “como lugar biográfico de muita significativa expressão”; Colares, muito representativo de “O primo Basílio”; Sintra, onde decorreram episódios d’”Os Maias” e d’”A tragédia da rua das Flores”; a Porcalhota também é citada n’”Os Maias”, onde Carlos da Maia e o maestro Cruges comem um coelho guisado, durante um passeio de “break”.
 
O Roteiro faz ainda uma referência ao Círculo Eça de Queiroz, em frente ao ex-Casino Lisbonense, fundado em 1940, por António Ferro, diretor do Secretariado de Propaganda Nacional.
 
Campos Matos inclui cinco mapas: um do passeio de Luísa com o conselheiro Acácio, personagens d’”O primo Basílio”; outro de um percurso do largo do Calhariz aos Restauradores, passando pelo Chiado; um outro percurso do Cais do Sodré ao Rossio, passando pelo Terreiro do Paço; uma planta geral da cidade oitocentista, com a sinalização de todos os locais referenciados; e ainda dos locais referenciados na vila de Sintra, nos arredores da capital.
 
Arquiteto e urbanista por formação académica, Campos Matos tem estudado sistematicamente a obra do autor d’”A cidade e as serras”, desde 1976, quando publicou o livro “Imagens do Portugal Queiroziano”, cuja terceira edição saiu em 2004.
 
Entre outras obras, publicou, em 1995, as cartas inéditas entre José Maria d’Eça de Queiroz e sua mulher, Emília de Castro Pamplona, filha dos condes de Resende.